Ho Chi Minh

Museu dos Vestígios de Guerra | War Remnants Museum

Considero o Museu dos Vestígios de Guerra, o ponto alto da nossa viagem a Ho Chi Minh. Não que seja a melhor coisa do mundo pra se ver, mas foi uma visita pedagógica, necessária para para conhecer mais da história da Guerra do Vietnã, em outra versão, a contada pelos vietnamitas. Embora eu seja aquela pessoa que leva o desaforo pra casa, dá banho, alimenta e põe pra dormir, guerra é um assunto que me interessa. Essa, do Vietnã, que marcou o século 20 com sangue, principalmente.

Museu dos Vestígios de Guerra
Na entrada do museu, vans e carros se misturam aos veículos de guerra, em exposição

Museu dos Vestígios de Guerra

Então, no segundo dia na cidade, logo cedo, fomos ao Museu dos Vestígios de Guerra, que trata das atrocidades realizadas na Guerra Americana, como os vietnamitas dizem. O museu, fundado em 1975, já se chamou Museu dos Crimes de Guerra Americano. Em pouco mais de 40 anos, recebeu mais de 15 milhões de visitantes. Hoje, ele mudou o nome. Certamente, para atender às novas realidades políticas do país.

Entrada do Museu dos Vestígios de Guerra
O museu é membro do International Network of Museum for Peace.

Os números da guerra

A Guerra do Vietnã teve início em 1959, quando começaram os conflitos entre Vietnã do Norte – comunista apoiado pela China e pela União Soviética – e o Vietnã do Sul, que tinha o apoio dos Estados Unidos. E só terminou em 1975, quando os últimos militares saíram de Ho Chi Minh, que na ápoca, chamava-se Saigon, de cabeça baixa. Se tem uma coisa da qual os vietnamitas se orgulham é de nunca terem perdido uma guerra.

Museu-dos-Vestígios-de-Guerra-florestas
Em 1976, as florestas vietnamitas estavam assim.

Nessa guerra, morreram mais de 58 mil americanos e mais de 2 milhões de vietnamitas. Os Estados Unidos lançaram mais de 6 milhões de toneladas de bombas sobre o Vietnã. Sobre os aliados do Vietnã do Sul, mais 1,4 milhão de toneladas. Mais de 1900 americanos continuam desaparecidos desde o fim da guerra. Assim, como 800 mil bombas e minas, que não foram explodidas e matam, até hoje, as pessoas que pisam nelas, sem querer. No museu, estão em exposição, mais de 20 mil documentos e filmes que retratam esses números estarrecedores.

Museu-dos-Vestígios-de-Guerra-helicópteros
O poder que vem do céu, na foto de Tim Page

Na entrada do museu

Pagamos 15 mil dongues, cada um, o equivalente a 2 reais, para ver uma das histórias mais sangrentas, mais violentas, acontecidas nesse planeta. E saímos de lá com um nó na garganta, o coração apertando, de ver tanta atrocidade. Tenho a impressão de que o vietnamita foi o povo que mais sofreu, até hoje, nas mãos dos Estados Unidos.

a placa de uma das portas do Museu dos Vestígios de Guerra
As placas nas portas das salas anunciam o sofrimento

Logo na entrada, na área que cerca o museu, estão espalhadas verdadeiras relíquias de guerra: as armas e os veículos usados por vietnamitas e americanos: aviões, helicópteros, tanques, metralhadoras e bombas, utilizados para matar milhões de pessoas.

Museu-dos-Vestígios-de-Guerra-tanque M48-A3
Parte do arsenal de guerra, no museu: M48-A3 tank
Museu-dos-Vestígios-de-Guerra-helicóptero
Uma das vedetes da exibição: o CH-47 – helicóptero com 2 turbinas, produzido pela Boeing.
Museu-dos-Vestígios-de-Guerra-arsenal-de-guerra
Mais equipamento pesado para combater na Guerra do Vietnã
Estudantes são visitas constantes ao Museu dos Vestígios de Guerra
Estudantes são visitas constantes ao Museu dos Vestígios de Guerra
Museu-dos-Vestígios-de-Guerra-aviões
O pátio do museu é a parte mais leve
Museu-dos-Vestígios-de-Guerra-aviões-de-combate
Aviões de guerra AD-6, F-5E, A-37 e U-17 reunidos

Gaiolas e tortura

O museu é grande, tem três andares e é muito bem dividido. No térreo, podemos ver o sistema americano de prisão, como os vietnamitas denominam. Como nos filmes, as gaiolas de arame farpado, minúsculas, para prender o inimigo, além de uma guilhotina, celas úmidas e escuras – um arsenal de maldades de nível altíssimo.

Museu-dos-Vestígios-de-Guerra-prisioneiros
Nas paredes do museu, fotos de prisioneiros
Museu-dos-Vestígios-de-Guerra-gaiola
Gaiolas minúsculas para os prisioneiros
Museu-dos-Vestígios-de-Guerra-paredes-fotos
O sofrimento cobrem as paredes externas do museu
Museu-dos-Vestígios-de-Guerra-prisioneiro-na-cela
Prisioneiro preso num cubículo

Quando entramos, mesmo, no salão térreo do museu, o que vemos são salas com equipes de apoio à resistência vietnamita, com projetos voltados para estudantes e crianças, além de um pequeno restaurante e uma lojinha.

Crueldade compartilhada

À medida que vamos entrando no museu, vamos tendo noção da crueldade praticada durante a guerra. Cartazes, fotos e documentos comprovam as atrocidades, que se perpetuaram na vida dos vietnamitas. Interessante é observar os americanos – grande maioria dos turistas – vendo e lendo sobre aquilo tudo. Não sei se eu sentia vergonha, pena ou curiosidade. Afinal, aqueles americanos, que estavam ali, não tinham culpa das barbáries realizadas contra mulheres, velhos e crianças vietnamitas. Mas, os mais sensíveis, certamente, se sentem constrangidos.

É nesse museu que está a célebre foto da garotinha nua, Kim Phuk, correndo, em desespero, quando foi registrada pelo fotógrafo Nick Ut. A foto ficou famosa, correu o mundo, mas outras tantas fotos de outras tantas crianças, na mesma situação, cobrem as paredes do museu. Fotos de gente de todas as idades, massacradas, sem cabeça, sem pernas ou braços. Fotos de gente – militares ou civis – sendo torturada e humilhada, desrespeitada.

As listas de nomes de crianças, de mulheres e de militares também são muitas.

Também são muitas, as histórias de família e casais sacrificados, como o da foto abaixo. Ele foi achado morto com a foto da namorada no bolso.

assim como tantos outros, esse casal interrompeu uma história de amor

Os correspondentes

Abaixo, fotos de correspondentes de guerra, mortos durante o trabalho. Eram 133 correspondentes, de 11 nacionalidades. Eles deixaram 204 fotos sobre a guerra. Alguns, que sobreviveram, ainda voltaram ao Vietnã, para registrar o estrago, as consequências do destempero humano.

Numa das salas do museu, estão as armas usadas na guerra

Cartazes assustadores

Na entrada de cada sala, está registrado o massacre que foi a Guerra do Vietnã. Nessa, em especial, estão as  maiores atrocidades, o requinte de maldade, a covardia dos soldados, a tortura que os civis sofreram, com detalhes, em fotos estarrecedoras.

O agente laranja

Outra sala está dedicada ao agente laranja, um herbicida altamente tóxico, de efeitos devastadores na lavoura, que foi lançado por aviões americanos, para acabar com as florestas vietnamitas. Sem florestas, os vietcongues não teriam como se esconder durante os ataques. Os americanos pulverizaram mais de 40 milhões de litros de agente laranja e acabaram com as florestas, com os rios e com as gerações seguintes. Até hoje, mais de 40 anos depois da guerra, ainda nascem crianças com terríveis deformações e outros problemas sérios de saúde. Nessa sala, vimos fotos muito tristes, além de fetos deformados em recipientes transparentes. Considerei falta de respeito, se fotografasse o que eu vi. Até hoje, escrevendo sobre isso, eu me emociono.

fotos amenas para não ferir suscetibilidades

O Museu de Vestígios de Guerra é um lugar vivo, embora fale de morte. Constantemente, ele promove entrevistas com testemunhas oculares da guerra, realiza palestras e seminários, recebe escolas e associações de vítimas do agente laranja, para debates. Vez por outra, reúne veteranos – vietnamitas e americanos – que confraternizam, brindam ao futuro e ao passado – que já passou. O propósito não é fomentar o ódio e sim, não deixar ninguém esquecer os horrores de uma guerra, o que ela pode fazer com um país, com um povo – não importa a nacionalidade.

2 comentários sobre “Museu dos Vestígios de Guerra | War Remnants Museum”

  1. Todo mundo deveria visitar um museu como esse para conhecer a crueldade das guerras.
    Gustavo

    1. Pode ter certeza! O mundo seria diferente!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

cinco × quatro =