Vigeland

Vigeland Park – Oslo – Noruega

O Vigeland Park está para Oslo como o Central Park para Nova Iorque, o Tiegarten para Berlim e o Hide Park para Londres. Eles são uma espécie de oásis em meio à turbulência do dia-a-dia. São ainda pulmão da cidade, área de lazer. Mas, o Vigeland Park, em Oslo, capital da Noruega, é especial. São mais de 300 mil metros quadrados de espaço verde, cuidadosamente ornamentado por esculturas em tamanho natural, que contam a história da humanidade. O idealizador do parque, Gustav Vigeland, dedicou, praticamente, toda a sua vida à obra, que hoje é o maior motivo de orgulho da cidade.

autor das obras
Gustav Vigeland – autor das obras

O Vigeland Park e o seu idealizador

Tudo começou na década de 20, quando Gustav Vigeland, um escultor ainda no início de carreira, ofereceu à cidade, uma fonte. Ela foi colocada no meio desse parque, conhecido, nessa época, apenas, como Frogner Park. A fonte fez tanto sucesso que a prefeitura de Oslo resolveu fazer uma proposta a Gustav Vigeland. Que ele realizasse um grandioso projeto naquele espaço, em troca de casa, comida e roupa lavada. Imediatamente, o escultor se mudou, de mala e cuia, para então começar o seu trabalho.

Trabalho artesanal

Com a ajuda de alguns artesãos, Vigeland esculpiu 192 peças, com mais de 600 figuras que narram a trajetória do ser humano. Do nascimento à velhice e morte, todas as fases estão retratadas. Na verdade, Vigeland moldava as peças e os artesãos, dirigidos por ele, transferiam o trabalho para a pedra.

Escultura de garoto chorando, no Vigeland Park, em Oslo, Noruega
Uma das esculturas icônicas é esse garoto chorando – Sinnataggen.
Escultura de 2 homens velhos em Vigland Park, Oslo, Noruega
Dois homens já velhos pensam na vida.

O parque

Quando entramos no parque, passamos por uma larga avenida, ladeada por 58 figuras de bronze em tamanho natural. São casais, pais brincando com filhos, mães, crianças esperneando, chorando, rindo, gente de todas as idades. Tem até um feto. Mais adiante, a fonte contracena com vinte grupos de árvores, homens e mulheres.

figuras de bronze na entrada do vigeland Park
De um lado e do outro, figuras de bronze recepcionam o visitante

Planalto Monolítico

Antes de chegar ao monólito, uma série de esculturas retratam as cenas do cotidiano: cenas de amor, de crianças brincando, mulheres melancólicas, homens angustiados, famílias, casais, velhos e crianças. A identificação com as situações é instantânea.

Escultura de duas adolescentes no Vigeland Park, em Oslo, Noruega.
A adolescência feliz é retratada com essas duas garotas sorrindo.
Escultura de casal de velhos no Vegeland Park, em Oslo, Noruega
Casal de velhos conversa sobre a vida – talvez
Escultura de família no Vigeland Park, em Oslo, Noruega
Pai e mãe brincam com filho ainda bebê

A fonte do Vigeland Park

Esta é a escultura mais antiga do parque, foi com ela que tudo começou. Em torno da fonte, as árvores com crianças e adolescente brincando, foram agrupadas de acordo com as fases da vida, da infância à velhice, passando pela adolescência e idade adulta. No meio, seis gigantes sustentam uma espécie de prato. A interpretação é que eles estão lutando contra os fardos da vida.

A fonte do Vigeland Park, em Oslo, Noruega
Tanto na mitologia quanto na religião, a árvore é vista como símbolo de regeneração e vida eterna.

O monólito

O ponto alto do parque é o monólito – uma estrutura de mais de 17 metros, com 121 figuras humanas entrelaçadas, esculpidas num só bloco de pedra. A obra pesa 180 toneladas e levou 5 anos para ficar pronta, graças a ajuda de três artesãos. A coluna é composta de corpos de todas as idades, que se amontoam, sugerindo as mais variadas interpretações. Ali estão a ressurreição do homem, repetição do ciclo da vida, a luta pela existência e, pela ótica de Freud, um símbolo fálico.

monólito no Vigeland Park, em Oslo, Noruega
o monólito foi esculpido com uma pedra da pedreira da vila de Iddefjorden, na Noruega. Foto: wikipedia

monolito 1

É bom que se diga que o Vigeland Park é uma das instalações do Frogner Park, que também tem a maior coleção de rosas do país, além de ser o primeiro parque da Noruega a ser protegido pela Lei do Patrimônio Cultural.

Museu

A vista ao Vigeland Park não é completa se você não der uma esticadinha ao museu, que está situado ao sul do parque, a cinco minutos a pé do portão principal. O Museu Vigeland, que funciona no antigo estúdio e residência de Gustava Vigeland, abriu as portas em 1947. Hoje, o museu abriga uma exposição coletiva permanente, com 1.600 esculturas, 12 mil desenhos e 400 xilogravuras, além de trabalho em pastéis, ferro forjado e madeira.

Fachada do Museu Vigeland, em Oslo, Noruega
Fachada do museu Vigeland. Foto do próprio museu.
Monolith Hall, museu do Vigeland Park, Oslo, Noruega
No Monolith Hall, os originais em gesso das obras do parque. Foto do museu – Ivar Kvaal
Obra de Camilla Collet (1906), no Vigelandmuseet, Oslo, Noruega
Obra de Camilla Collet (1906) da coleção permanente. Foto: Vigelandmuseet – Oyvind Andersen 

Para visitar o parque:

O parque está aberto 24 horas por dias e a entrada é franca.

Para visitar o museu:

O museu está aberto de terça a domingo, do meio-dia às 16 horas. Adultos pagam 100 coroas norueguesas (em torno de 11 dólares ou 58 reais, hoje; estudantes, Kr 50 e para menores de 18 anos, a entrada é grátis. Se você tiver o Oslo Pass, a entrada também é gratuita. Grupos independentes, com mais de 10 pessoas, cada um paga Kr10 (R$ 5,87).

Localização do parque e do museu

Para chegar lá, pegue o bonde 12 ou o ônibus 20 para a estação Frogner.

Vigeland Park - mapa do Google
no mapa do Google, orientação para chegar lá

Para saber mais sobre a estrutura do parque e o museu, dê uma olhada nesses 2 vídeos. A língua é o norueguês, mas dá para se ter uma ideia do parque, de como foram feitas as esculturas, fotos antigas e documentos.

Compartilhar Post

Comentário (4)

  • Adriana Resposta

    Amei o parque e as dicas????????

    3 de setembro de 2019 a 15:55
    • sonia Resposta

      Obrigada! A Noruega é um país incrível, mesmo!
      Beijão,
      sonia.

      3 de setembro de 2019 a 16:50
  • Gardênia Carmelo Prado Resposta

    Amei ! Me programando pra ir em breve. bjs

    28 de dezembro de 2019 a 19:23
    • sonia Resposta

      Maravilha, Gardênia! A Escandinávia toda é um espetáculo! Você vai adorar!
      obrigada pela visita!
      Beijão,
      sonia

      28 de dezembro de 2019 a 23:46

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *