Jim Thompson e a sua casa em Bangkok

Um dos lugares mais incríveis que visitamos em Bangkok foi a Jim Thompson House – a casa de Jim Thompson, um americano apaixonado pela Tailândia, que abandonou tudo para viver na capital tailandesa, até o fim da vida. Rodeada de verde, cheia de flores e curiosidades, trata-se de uma ilha de tranquilidade e paz, no coração da cidade. Os guias indicam a visita com veemência. E eles não exageram. A casa é um espetáculo e vale dar uma chegadinha até lá para conferir as promessas dos folders turísticos e curtir a tranquilidade inusitada, no centro da cidade.

Flores de lótus na casa de Jim Thompson, em Bangkok, Tailândia
flores de lótus recepcionando quem chega à casa de Jim Thompson.
João Miguel na casa de Jim Thompson, em Bangkok, Tailândia
João Miguel em meio ao verde da casa de Jim Thompson

A seda tailandesa

Jim Thompson foi um dos estrangeiros mais festejados do país, o fundador da mundialmente famosa Jim Thompson Thai Silk Companyuma empresa têxtil especializada no mais nobres dos tecidos: a seda. Graças a ele, a seda tailandesa é reconhecida no mundo inteiro como uma das melhores.

A entrada da João casa de Jim Thompson, em Bangkok, Tailândia
A entrada da casa de Jim Thompson

A história de Jim Thompson

Até 1940, ele morava em Nova Iorque e trabalhava como arquiteto. Com a guerra, ele se alistou, teve a oportunidade de viajar pelo mundo e, quando ela acabou, ele estava a caminho de Bangkok. Por lá, ele ficou 25 anos, até que um dia, em 1967, numa caminhada pela selva, na Malásia, ele desapareceu. Nunca mais se soube dele, até que o coitado foi dado como morto – talvez comido por um tigre. Jim Thompson virou uma lenda.

Capa do livro escrito por Jim Thompson, em Bangkok, Tailândia
Um dos livros sobre o mistério do desaparecimento de Jim Thompson

A contribuição de Jim Thompson

Jim Thompson se dedicou a resgatar o comércio da seda tailandesa, enquanto esteve na Tailândia. Gerou emprego e valorizou o trabalho artesanal. Chegou a ser condecorado com a Ordem do Elefante Branco – condecoração dada aos estrangeiros por prestação de serviço excepcional ao país, tamanha a sua contribuição ao desenvolvimento e a divulgação da indústria mundo afora. Suas lojas estão espalhadas por várias cidades da Tailândia, no aeroporto, na Alemanha, Singapura e Nova Iorque.

Jim Thompson é o grande responsável pela expansão da indústria da seda, na Tailândia.

A casa

E o que há para ver nessa casa tão badalada? A própria estrutura em estilo tailandês, a coleção de obras de arte, o bom gosto do morador, que misturava peças sem medo, além da aura de glamour que envolve a casa, famosa pelas festas e jantares que alimentavam o imaginário do povo da cidade.

Os jardins da casa de Jim Thompson, em Bangkok, Tailândia
Poucos e bons transitavam por essa área que cerca a casa de Jim Thompson.

A casa e os rituais religiosos

A construção da casa de Jim Thompson seguiu todos os tradicionais rituais religiosos. Mas os astrólogos acharam que a saída do ilustre morador, em um determinado dia da primavera de 1959, seria uma atitude auspiciosa. E ele obedeceu. Desde então, a casa começou a receber donativos para desenvolver projetos para a preservação da rica cultura tailandesa.

Obras de arte na casa de Jim Thompson, em Bangkok, Tailândia
A convivência “harmônica” da arte com os ventiladores
Obras de arte na casa de Jim Thompson, em Bangkok, Tailândia
A arte asiática sempre foi prestigiada por Jim Thompson. Foto do site.
Obras de arte na casa de Jim Thompson, em Bangkok, Tailândia
simplicidade e bom gosto – foto do site

O Museu

Desde 1976, a casa de Jim Thompson é um museu e parada obrigatória de quem vai a Bangkok. Por ano, são 220 mil visitantes. O ingresso custa THB 150 – em torno de 24 reais (pouco mais de 4 dólares). E a visita guiada (em tailandês, Inglês, Japonês, chinês e francês) é obrigatória, assim como deixar os sapatos do lado de fora. Ninguém entra sozinho e fotografar o interior é proibido.

Compra de ingressos na casa de Jim Thompson, em Bangkok, Tailândia
A compra de ingressos para visitar a casa de Jim Thompson

A estrutura

A casa é cercada de verde por todos os lados. Melhor dizendo, ela está dentro de uma verdadeira floresta. Além de muito bem cuidada e à beira de um canal, a casa é composta de seis prédios e tem floreiras, um lago com carpas, um café e uma lojinha incríveis. A vontade que dá é sentar ali e passar a tarde inteira, se deliciando com vinhos das melhores safras e observando o movimento dos turistas.

Estrutura da casa de Jim Thompson, em Bangkok, Tailândia
A madeira é o material principal da casa de Jim Thompson
Loja da casa de Jim Thompson, em Bangkok, Tailândia
Na lojinha, o artesanato de alto padrão é de enlouquecer qualquer visitante
Carpas nadam no lago da Casa de Jim Thompson, em Bangkok, Tailândia
As carpas nadam tranquilas no lago que completa a decoração do espaço.
Divindade da Casa de Jim Thompson, em Bangkok, Tailândia
Divindades se espalham pelos jardins e cuidam da segurança.

Visitas guiadas

A cada meia hora, o guia leva os grupos de 10 a 15 pessoas pela casa e vai mostrando detalhes interessantes e inteligentes para a sobrevivência saudável: assim como as demais casas tailandesas, a casa de Jim Thompson tem o teto bem íngreme, com o propósito de fazer o ar quente subir e a casa se manter mais fresca.

Teto da Casa de Jim Thompson, em Bangkok, Tailândia
O teto alto facilita a circulação de ar e refresca a casa. Foto do site.

Estratégias de conforto

Portas e janelas são alinhadas de modo que o ar circule facilmente. A casa pode ser desmontada e montada. Ela foi construída por módulos que são pendurados numa superestrutura. E não tem um prego sequer.

Varanda da Casa de Jim Thompson, em Bangkok, Tailândia
Varanda ampla e aberta dos dois lados.
Varanda da Casa de Jim Thompson, em Bangkok, Tailândia
Outro ângulo da varanda – foto do site

Curiosidades

Entre um cômodo e outro, o batente da porta é alto, em torno de 20 cm. De acordo com a crença dos tailandeses, os batentes altos impedem que os maus espíritos rastejem de um quarto para outro e interrompam o sono dos moradores. Eles também são um suporte estrutural, para manter a parede firme, e uma proteção para as crianças, quando a casa é construída ao longo de um canal ou de um rio.

Sala da Casa de Jim Thompson, em Bangkok, Tailândia
As janelas são quase portas ou vice-versa. Foto do site.
Altar na Casa de Jim Thompson, em Bangkok, Tailândia
Claro, Buda está em quase todos os cômodos.

Os protetores da casa

Do lado de fora, uma réplica da casa em miniatura é a residência do espírito que toma conta da casa e dos seus moradores. A localização da réplica é de extrema importância e não pode ficar em qualquer lugar. À sombra do prédio principal, por exemplo, é impossível. O jardim é o local ideal.

Altar na Casa de Jim Thompson, em Bangkok, Tailândia
Incensos, flores e frutas frescas são oferendas diárias.

Referência de arte tradicional e contemporânea

A casa de Jim Thompson também é um centro de referência de arte tradicional e contemporânea tailandesa, e oferece cursos de restauração, atividades artísticas e criativas, workshops e espaços para exposições. Mais que isso, a casa de Jim Thompson é um oásis na confusa Bangkok, um lugar para relaxar, respirar ar puro e se deleitar com tanta beleza.

O bicho da seda na Casa de Jim Thompson, em Bangkok, Tailândia
O trabalho artesanal com o bicho da seda
Tailandesas na Casa de Jim Thompson, em Bangkok, Tailândia
O fio sendo desembaraçado e enrolado em novelos.

Daí, saem os fios para a comercialização.
Tear na Casa de Jim Thompson, em Bangkok, Tailândia
A produção artesanal da seda – foto do site

A casa de Jim Thompson é um marco na cidade, uma referência para o país. Num roteiro para a Tailândia, a casa de Jim Thompson não pode ficar de fora. Recomendo com força.

Compartilhar Post

Comentário (10)

  • MIRTES ROLIM JORGE BADRA GARROTE Resposta

    Quero ir também.

    31 de dezembro de 2016 a 13:48
  • ana maria delduque la ferreira Resposta

    Pena que Jim Thompson sumiu… já pensou quanta história poderia contar? Que lugar mágico, que casa aconchegante!!!

    8 de janeiro de 2017 a 23:20
  • Ricardo Dória Resposta

    Que casa linda,!

    26 de fevereiro de 2017 a 16:38
  • Sueli Garcia Resposta

    Lindo demais, agradecida por tudo, querida.

    3 de março de 2017 a 02:02
    • Sônia Pedrosa Resposta

      Eu que agradeço, Sueli querida!!!!! Mil vezes obrigada! Beijão!

      3 de março de 2017 a 08:39
  • Gustavo José Silva Neto Resposta

    Sonia, que legal. Deu vontade de conhecer!
    Gustavo

    10 de novembro de 2018 a 11:33
    • sonia Resposta

      Essa casa é maravilhosa e a história dela mais ainda!

      11 de novembro de 2018 a 12:54

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.