Museu D Orsay: saiba o que o torna um dos melhores do mundo

D Orsay é um dos 173 incríveis museus espalhados pela capital francesa, e a sua monumentalidade arquitetônica, a história que carrega e as relíquias que resguarda o tornam um dos mais importantes do país. À frente dele, apenas, o Louvre.

Museu D'Orsay
O Museu D’Orsay fica no bairro Saint-Germain des Prés, margem esquerda do Sena, no VII Arrondissement.

Siga nosso perfil no Instagram: https://www.instagram.com/existe_um_lugar/

História

No prédio onde está localizado o Museu D’Orsay já funcionou uma linda e antiga estação ferroviária e hotel, construídos em 1900, para a Exposição Universal. Com o tempo, a estação se tornou obsoleta e passou a ter outras finalidades: centro de prisioneiros na Segunda Guerra Mundial, local para o General de Gaulle anunciar a sua volta à política em 1958, cenário para os filmes de Orson Wells e Bertolucci, nos anos 1960. Em 1973, ambos foram fechados e, por um triz, não foram demolidos. O prédio passou por uma grande reforma e, em 1986, o museu foi inaugurado.

O Museu D’Orsay

Todos os anos, mais de 3 milhões de pessoas visitam o museu, que exibe coleções de pintura, arquitetura, escultura, artes decorativas e fotografia – do período de 1848 a 1914. Em 2018, ele foi apontado pelo TripAdvisor como melhor museu do mundo, com a maior coleção de obras impressionista e pós-impressionistas do planeta – mais de 3.450 obras-primas.

E por que tudo isso?

O D’Orsay é o endereço dos impressionistas – representantes de um movimento referente à pintura, que nasceu no século 19, na França: o impressionismo. Esse movimento teve início a partir de um quadro de Claude Monet, Impressão: nascer do sol, que ignorava a necessidade de retratar a realidade pregada pela academia. Para eles, apenas a luz, as cores, o movimento e as sensações passaram a interessar.

Por lá, vamos encontrar o melhor de Van Gogh, Manet, Monet, Gauguin, Pissarro, Cézanne, Renoir, e tantos outros, além de obras de outros movimentos e escolas. À primeira vista, não é um museu de grande porte, assim como o Louvre, e não é mesmo. Mas há muito o que ver e se você é desses que gosta de ver tudo com vagar, prepare-se para passar o dia por lá. Se não, reserve, apenas, uma tarde para conhecê-lo.

A visita ao D’Orsay

Assim que passamos pela bilheteria e entramos no museu, somos impactados pela estrutura grandiosa, pela luz que entra pelo teto curvado, pelas esculturas que dominam o vão central e o relógio – verdadeiro espetáculo para os olhos.

O vão central do Museu D'Orsay, em Paris, e suas preciosidades
A antiga Gare D’Orsay em seu verdadeiro esplendor ao assumir sua vocação: ser um museu.
Relógio na entrada do Museu D'Orsay, em Paris
A estrutura de ferro e vidro adornada pelo lindo relógio do museu, de 1900.

As obras do D’Orsay que você precisa ver

Difícil não se emocionar com obras que o museu abriga, já conhecidas, ali, diante de nós. Todas têm uma história e importância e, uma vez estando no museu, a gente não pode deixar de se demorar um pouco mais e apreciar:

A Porta do Inferno

A Porta do Inferno, em gesso, de Rodin, fica logo na entrada. Nela, podemos observar várias esculturas famosas do artista, como O Beijo, Adão e O Pensador, que foram tiradas dessa porta, inspirada na Divina Comédia, de Dante Alighieri – encomendada a Rodin para um museu de artes decorativas, que nunca chegou a ser inaugurado.

Museu D'Orsay e a Porta do Inferno
A Porta do Inferno, em bronze, tem 7 exemplares em museus da Europa, EUA e Ásia

Mulher picada por uma serpente

Essa escultura em mármore, de Auguste Clésinger, provocou um escândalo na época em que foi exibida e a gente pode imaginar o porquê. Linda e lânguida, essa mulher se contorce com a picada da cobra e, para desespero dos pudicos, ela está nua. Ainda hoje, ela continua impactando os visitantes, não mais pela ousadia, mas pela beleza e perfeição da obra.

Mulher picada por uma serpente, de Clesinger, no Museu D'Orsay
A escultura é tão fiel que dá a impressão de que a qualquer momento, ela vai se levantar

L’Arlésienne ou Retrato de Madame Ginoux

Este é o primeiro de uma série de 6 quadros pintados por Van Gogh, da Madame Ginoux, dona do Café de La Gare, em Arles, onde o pintor comia diariamente. Ela era amiga dos artistas que chegavam à cidade, recebeu Van Gogh em sua própria casa, tendo sido também modelo de Gauguin.

Quadro L'Arlésienne no Museu D'Orsay, em Paris.
Madame Ginoux foi uma boa amiga de Van Gogh no tempo em que ele morou em Arles

Retrato do Artista

Assim como outros pintores de sua época, Van Gogh sempre recorria à sua própria imagem para pintar, quando não tinha dinheiro para pagar os modelos. Durante uns 10 anos da sua carreira, ele pintou ou desenhou em torno de 30 autorretratos. Vários quadros semelhantes a este estão espalhados pelos museus do mundo.

último autorretrato do artista holandês, Vicente Van Gogh - no Museu D'Orsay, Paris
Este talvez tenha sido o último autorretrato do artista holandês, Vicente Van Gogh

A noite estrelada

A vontade de retratar o céu e as estrelas começou quando Van Gogh chegou a Arles, em fevereiro de 1888. Por muito tempo, essa busca, ou espera pelo céu perfeito, foi tema de correspondência com o irmão, Teo, com a irmã e com o pintor Emile Bernard. Até que foi presenteado pela natureza e pintou esse quadro que, além do céu estrelado, tem  Rhône como cenário.

Noite Estrelada, Van Gogh, no Museu D'Orsay, Paris
O quadro – onde as luzes a gás brilhavam num laranja intenso e as estrelas como pedras preciosas

Arearea

Também conhecida como Joyeusetés, esse quadro é parte de uma coleção de pinturas taitianas, realizadas por Paul Gauguin e exibidas em Paris, em 1893. Embora essa coleção seja bastante festejada e reconhecida, na época, não alcançou o sucesso que o artista previa. Os títulos das telas na língua taitiana foi um dos motivos.

Arearea, Gauguin
As cores vibrantes e o cachorro vermelho também assustaram os críticos da exposição

Baile no Moulin de la Galette

Neste quadro colorido, Renoir quis retratar os amigos no alegre ambiente de um estabelecimento em Montmartre, Paris. Entretanto, quando foi exibido, o quadro que tem as formas pouco definidas, não agradou à crítica. Ainda assim, é considerado a mais importante obra do artista, em meados da década de 1870.

Moulin de la Galette, no Museu D'Orsay, em Paris, França.
É fácil captar a vibração do ambiente nas pinceladas de Renoir.

A Pequena Dançarina de 14 anos

Essa escultura, concebida em cera, ganhou uma versão em bronze depois da morte do seu autor, Degas. Na época em que foi apresentada, a Pequena Dançarina foi considerada hiper-realista, por causa da sapatilha, da saia de tule e a fita no cabelo – tudo em tecido. Ela foi apresentada ao público na exposição de 1881, mas depois ficou escondida no estúdio do artista, junto com outras esculturas.

A Pequena Bailarina de 14 anos
A Pequena bailarina foi uma das 150 esculturas achadas no estúdio de Degas, depois que ele morreu, em 1917

Homem sudanês em traje argelino

Em 1847, Charles Cordier ficou tão encantado com uma modelo africana, que pintou seu retrato e, desde então, decidiu se dedicar a registrar a diversidade através da sua escultura. De uma viagem à Argélia em 1856, ele trouxe muitos bustos e um deles é Nègre en costume argérian, onde percebemos  a nobreza do modelo.

Nègre-en-costume-algérien
A escultura, junto com outras do mesmo estilo e tema, impressiona pela beleza captada pelo artista.
outras escultura no museu D'Orsay
Outras esculturas de igual beleza impactam o visitante logo na entrada

As quatro partes do mundo que sustentam a esfera celestial

A obra de Jean-Baptiste Carpeaux fica no meio do vão central e impressiona pela força, além do tamanho. Trata-se de uma escultura em bronze que retrata a Europa, a Ásia, América e África segurando o globo terrestre. A encomenda ao artista foi feita pelo Barão de Haussmann, prefeito de Paris e, na verdade, era uma fonte para o jardim do observatório, mas o artista decidiu fazer diferente.

Jean-Baptiste-Carpeaux, no Museu D'Orsay
As quatro alegorias dançam em círculo, e também giram sobre si mesmas.

A Dança

Jean-Baptiste Carpeaux esculpiu essa obra entre 1865 e 1869. As 5 figuras femininas são ninfas e elas dançam em torno de um músico. A obra foi encomendada para a Ópera Garnier, mas foi considerada escandalosa. O povo, revoltado com tamanha ousadia das ninfas – rodopiando nuas, cabelos ao vento, sorrindo, que tentaram destruir a escultura e ela acabou restrita aos espaços fechados dos museus (cópias no Louvre e no D’Orsay) e da própria Ópera, onde está a original.

A Dança - Museu D'Orsay
A Dança escandalizou a sociedade parisiense da época e por pouco não foi destruída.

Museu D’Orsay e as Artes Decorativas

Há muito o que ver no museu no que diz respeito às artes decorativas: cerâmicas, móveis, joias e objetos diversos, ambientes inteiros, como sala de jantar, hall de entrada, além de penteadeiras e outras preciosidades como as que veremos a seguir:

Toalete da Duquesa de Parma

Item importante da Exposição Universal de Londres, em 1851, esse mobiliário, que contempla as civilizações orientais e ocidentais, com estilos de diferentes épocas, foi encomendado para o casamento de Louise-Marie-Thérèse de Bourbon, 1845. Essa penteadeira tem um quê que Luís XIV, de oriente, enfim, muito eclética, exagerada, no meu ponto de vista. Mas impressiona.

Toalete da Duquesa de Parma, Museu D'Orsay, Paris.
Nas caixas de joias estão os retratos de 20 francesas reconhecidas pela piedade, coragem e talento literário, como por exemplo, Joana d’Arc.
Os bancos de Louis Majorelle
Os bancos de Louis Majorelle, de uma só perna, inspirados nos nenúfares
Ambientes inteiros artisticamente decorados por grande nomes da época

A primeira vez em Paris

Para visitar o Museu D’Orsay

Neste momento, o Musée D’Orsay se encontra fechado por causa da pandemia. Ainda assim, convido você a ler um pouco sobre ele e se planejar para conhecê-lo ou revê-lo, assim que a situação permitir. Mas em condições normais, ele está aberto de terça a domingo, das 9:30 às 18h, sendo que na quinta-feira, ele fecha às 21:45.

Quanto custa

14 euros. Menores de 18 anos, não pagam. Uma dica: compre o ingresso pelo site oficial do museu, para evitar as filas. Se preferir comprar na hora, preste atenção e não pegue a fila errada. Existem filas para grupos.  E mais: prefira ir no primeiro horário, assim que as portas se abrirem. E para visitar o museu de graça, vá no primeiro domingo do mês. Áudio guia disponível em 9 línguas: francês, inglês, espanhol, italiano, alemão, holandês, japonês, russo e chinês (5 euros).

Endereço

O Museu D’Orsay está localizado na margem esquerda do Sena, nas imediações do Museu do Louvre e do Jardim das Tulherias, bem no coração de Paris. A entrada fica na 1, Rue de la Légion d’Honneur – 75007 – Paris.

Visitantes com mobilidade reduzida

O museu conta com vários elevadores, portas automáticas, rampas e sanitários adaptados, além de cadeiras de rodas e carrinhos para bebês (os habituais não são permitidos). No balcão, há um guia específico para os visitantes com limitações

Deu fome?

Le Restaurant é o antigo restaurante do museu e fica no primeiro andar. Inaugurado em 1900, ele conserva a beleza da época, com a pintura do teto e os lustres deslumbrantes. Os visitantes vão encontrar a tradicional comida francesa. Já no Café l’Horloge, repaginado pelos irmãos Campana, o menu oferece refeições quentes, saladas, e sobremesas.

Le Restaurant - D'Orsay, Paris
O salão é tombado como monumento histórico e as cadeiras, recentemente, foram trocadas.
Café - museu D'Orsay, Paris
Os irmãos Campana capricharam e todos que visitam o café são impactados, de uma forma ou de outra.

Numa viagem a Paris, o Museu D’Orsay não pode ficar de fora do seu roteiro.

Compartilhar Post

Comentário (18)

  • Marcos Jefferson Resposta

    Parabéns e sucesso…
    Estive na França, mais não fui a esse museu…
    Quem sabe na próxima !
    😉😉

    2 de junho de 2021 a 17:13
    • sonia Resposta

      Marcos, é uma boa desculpa para voltar! Programe-se para quando a pandemia passar!
      obrigada, querido. Um grande abraço!

      2 de junho de 2021 a 17:33
    • Alexandra Resposta

      Sou totalmente apaixonada pelo museu d’Orsay! Já fui alguma vezes e não me canso! Realmente ele é um dos melhores do mundo!

      7 de setembro de 2021 a 23:22
      • sonia Resposta

        Com certeza, Alexandra, um dos melhores do mundo!!!
        Obrigada pela visita.
        Grande abraço.

        8 de setembro de 2021 a 06:55
  • Hebe C Resposta

    Eu fui ao Museu Dorsay em Sintra e passei horas nesse lugar. Que lugar incrível né?

    26 de agosto de 2021 a 14:38
    • sonia Resposta

      Poxa, que legal! Não sabia que tinha um Museu D’Orsay em Sinta!
      Eu só coheço o de Paris e acho fantástico!!!
      Obrigada, Hebe, por sua visita!

      26 de agosto de 2021 a 14:54
  • ANGELA MARTINS Resposta

    Eu amei o Museu D’Orsay. Visitei com meus filhos e foi incrível. Adorei ler seu post, completou a minha experiência.

    26 de agosto de 2021 a 22:35
    • sonia Resposta

      Angela, que legal! fico feliz com isso. E fazer isso com os filhos deve ser maravilhoso!
      Obrigada pela visita!

      27 de agosto de 2021 a 07:10
  • Sylvia Leite Resposta

    O Museu D’Orsay é realmente maravilhoso. Tanto as obras como o prédio. Sua postagem de me deixou com saudade.

    27 de agosto de 2021 a 07:50
    • sonia Resposta

      Realmente, é um museu incrível, né?
      É museu que eu gosto mais – obras maravilhosas, espaço lindo, tamanho perfeito.
      Valeu pela visita, Sylvinha!

      27 de agosto de 2021 a 08:35
  • Deyse Resposta

    Meu Deus, estou encantada, maravilhada!!!!! Eu ainda estive nesse museu. O Museu D Orsay é realmente uma ótima atração, realmente é um dos melhores do mundo.

    29 de agosto de 2021 a 16:03
    • sonia Resposta

      Deyse, realmente, ele é lindo, a começar pela estrutura.
      É um dos meus preferidos!
      Obrigada pela visita!

      29 de agosto de 2021 a 22:20
  • Sabrina Albuquerque Resposta

    Com todo respeito ao Louvre – que por sinal, é maravilhoso – mas o Museu D´Orsay é o meu favorito em Paris tanto pela arquitetura quanto acervo.

    31 de agosto de 2021 a 07:27
    • sonia Resposta

      Sabrina,
      Concordo com vc. O D’Orsay também é o meu preferido. Acho que ele tem o tamanho ideal e um conteúdo riquíssimo, além da bela estrutura.
      Valeu pela visita e comentário
      Obrigada.

      31 de agosto de 2021 a 09:29
  • Diego Resposta

    Esse foi um dos museus que mais gostei de conhecer quando fui para Paris. Esse teto e acervo são incríveis

    1 de setembro de 2021 a 21:35
    • sonia Resposta

      É verdade, Diego. Também considero este um dos melhores museus de Paris.
      Obrigada pela visita.
      Grande abraço.

      1 de setembro de 2021 a 21:45
  • Patrícia Veludo Resposta

    Quando estive em Paris não visitei o Museu D’orsay mas espero conseguir visitar da próxima vez que visitar a cidade. parece ser marravilhoso.

    7 de setembro de 2021 a 05:19
    • sonia Resposta

      Oi, Patrícia,
      Visite, mesmo. É um dos mais importante passeios que vc fará na cidade!
      Obrigada pela visita.

      7 de setembro de 2021 a 16:21

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *