Alese

Viagem para o Vietnã

///Viagem para o Vietnã

Viagem para o Vietnã

Quando cogitamos uma viagem para o Vietnã, não imaginávamos que se tratava de um país tão interessante, com tantas coisas para ver e experimentar. Pesquisando, vimos que, de norte a sul, há o que ver, o que conhecer: a natureza exuberante, as tradições, os templos, as praias, os mercados, o artesanato, a culinária, a arquitetura… Com o tempo curto, resolvemos passar, apenas, 4 dias em Hanói, ao norte, e 4 dias em Ho Chi Minh, ao sul, chamada de Saigon até 1975, quando a Guerra do Vietnã – que lá eles chamam de Guerra Americana – terminou. Mas, o Vietnam merece um mês completo.

vendedora de flores

O Vietnã

Trata-se de um dos países mais populosos do sudeste asiático, com quase 90 milhões de habitantes e 54 grupos étnicos reconhecidos. O maior deles é o vietnamita, ou kinh, de origem mongólia. A grande parte das minorias étnicas ficam no norte do país e vale a pena passar por lá para conhecer a cultura daquele povo, o artesanato, os costumes.

Moradores de Hanói: todos de máscara contra a poluição

A história

Ao longo de sua história, o Vietnã foi assediado por diversos países, foi vilipendiado, massacrado. Todos queriam levar alguma vantagem. Estiveram por lá, os portugueses, os holandeses, os franceses… todos queriam catequizar, civilizar o país – A China, o Japão, a França… A última invasão foi na década de 60, pelos Estados Unidos, quando o Vietnã do Norte brigava com o Vietnã do Sul. Essa guerra durou 15 anos, o suficiente para matar 58 mil soldados americanos e mais de 2 milhões de vietnamitas. Em 2 de julho de 1976, o Vietnã foi reunificado e adotou o regime socialista, com o apoio da então União Soviética.

Esta é a catedral de São José, também conhecida como Nha To Lon, a igreja católica mais importante de Hanói, herança francesa. Aos domingos, ela chega a lotar, assim como nas festas católicas importantes, como o Natal e a Páscoa. Mas, durante a semana, ela fica fechada, guardando algumas preciosidades no seu interior, como o altar ornamentado, uma pintura dos três reis magos e vitrais franceses.

A Economia

A Economia do Vietnã é uma das que mais cresce no mundo. De acordo com o Citigroup, ela está em transição desde 1986 para uma economia de mercado – onde a maior parte da produção é gerada pela iniciativa privada. Nos últimos anos, o Vietnã teve o maior crescimento econômico do sudeste asiático e passou a integrar o grupo “Novos Tigres Asiáticos”.

Franquias variadas, comércio de rua e shopping em Hanói e Ho Chi Minh

A culinária

A gastronomia vietnamita é bastante festejada, no mundo inteiro. Os vietnamitas adoram comer e a gente percebe isso, de forma explicita, pelo número de restaurantes, bares, lanchonetes, cafés, pizzarias, carrocinhas e bancas de rua, à disposição de quem passa. A hora do almoço é uma verdadeira festa. Os comerciantes disponibilizam mesinhas e banquinhos, nas calçadas, para os clientes. Parecem feitos para criança, mas não é.

A hora do almoço é assim: todos nas calçadas, sentados em banquinhos ou cadeirinhas

Um dos pratos mais populares é o Pho, feito com macarrão de arroz, carne, cebolinha, manjericão, folhas de hortelã e brotos de feijão, tudo isso boiando num caldo meio ralo. Confesso que não adorei. Mas as pessoas se esbaldam. Esse prato, acompanhado de uma cerveja custou menos de 4 dólares.

A chegada no Vietnam

Para entrar no país, um visto é necessário. Paga-se por ele, apenas, 20 dólares, na chegada, depois de preencher um formulário no aeroporto. Como nós não sabíamos, entramos num site que se propõe a fazer isso. Pagamos 10 dólares, cada um. Recebemos o formulário pela internet, preenchemos e fizemos o depósito para um banco em Hanói, pelo Banese. Tudo muito simples, mas desnecessário. Chegando lá, no aeroporto, entramos na mesma fila e pagamos os mesmos 20 dólares. Portanto, gastamos 10 dólares a mais.

 

Hanói

A capital do Vietnã foi a nossa porta de entrada, vindos de Bangcoc.  A passagem foi pela Jetstar e custou menos de 500 reais para nós dois. O voo dura menos de 2 horas e chegamos no aeroporto de Noi Bai, que fica a uns 45 minutos do centro da cidade. De táxi, para o nosso hotel, deu 15 dólares mais ou menos. A primeira impressão que tivemos? O calor. Temperatura em torno dos 35 graus.

Aeroporto de Hanói. Foto do site do aeroporto

Onde ficar

Sempre acho que ficar no centro da cidade é uma boa opção. Em Hanói, escolhemos um hotel a 50 metros do Lago Hoan Kiem, que é o lugar onde tudo acontece. Os moradores de Hanói costumam frequentar o lago, para andar de bicicleta, caminhar, namorar ou dançar. Vimos vários grupos dançando em torno do lago, acho que é uma mania local. Nas imediações, estão vários hotéis, restaurantes, o teatro de marionetes, uma das tradições do país, fast food e comércio de rua. A noite fervilha, em torno do lago.

Lago Hoan kiem (lago da espada restituída), à noite e a ponte Huc (ponte do raio de sol)

Passatempo noturno dos moradores de Hanói: dançar em torno do lago

A moeda

Amoeda vietnamita é o Dong (VND). Um dólar vale em torno de 22 mil dongs. Imagine os preços. É tudo muito barato. Mas, eles são muito espertos. Lá, vale a pechincha. Não concordo que ela seja exaustiva, a ponto de se pagar o preço que vale, o objeto em questão. Afinal, o turismo é uma oportunidade para ganhar dinheiro. Se é tão barato pra gente, por que devemos nos aproveitar da situação?

O dólar é muito bem aceito nos hotéis, restaurantes e comércio em geral, assim como os cartões de crédito e débito. Mas, é bom trocar um pouco de dinheiro para pequenas compras, táxis e tuc-tucs.

O trânsito

Um verdadeiro caos. Os semáforos são decorativos, não dá para confiar. Para atravessar uma rua, é preciso ter muita coragem, sangue frio, desapego e fé – tudo junto. São mais de 40 milhões de motos e 1 milhão e 600 carros, no país. Geralmente, a moto é dirigida por um motoqueiro. Mas é possível ver duas, três, quatro, cinco pessoas numa mesma moto, famílias inteiras, mudanças, cachorro, papagaio, caixas. Eles dominam a arte do equilíbrio.

Hanói e Ho Chi Minh querem melhorar a qualidade do transporte público para limitar o número de veículos nas ruas. Eles dizem que, até 2025, o trânsito vai estar bem melhor. Será? Quero destacar que não vimos um único acidente no trânsito nos 8 dias que passamos no país.

O povo

Os vietnamitas são um povo muito simpático, batalhador, que enfrentou muitas guerras e ainda consegue sorrir, com tantas lembranças terríveis desses períodos. Ainda hoje, as pessoas sofrem os efeitos do agente laranja introduzido, pelos americanos, na Guerra do Vietnã ou Guerra Americana – como queira. Esse sofrimento, a gente constatou no Museu da Prisão, no Museu da Mulher Vietnamita, no Museu dos Crimes de Guerra (que mudou o nome para Museu de Reminiscências da Guerra, para evitar constrangimentos), nas ruas de Hanói e Ho Chi Minh.

Museu da Prisão, em Hanói

Museu da Mulher Vietnamita, em Hanói

Museu das Reminiscências da Guerra, em Ho Chi Minh

O idioma

O vietnamita, ou tieng viet, é a língua falada por mais de 80% da população. Trata-se de uma língua tonal, o que significa que, uma mesma palavra tem várias pronúncias com entonações diferente. O tom pode afetar totalmente o significado da palavra, é mole? Aprender vietnamita pode levar uma vida! Mas, muita gente fala inglês e francês. A comunicação não é impossível. Além do que, eles têm muita boa vontade com o turista e fazem tudo para ajudar.

A religião

São várias, as religiões no país, mas as mais importantes são o Budismo, o Taoismo e o Confucionismo. As pessoas também costumam adorar espíritos, venerar antepassados e heróis do Vietnã. Pelas cidades, estão espalhados vários templos, pagodes e igrejas católicas.

Confúcio, no Templo da Literatura, em Hanói

Turismo

Em 1990, o Vietnã começou a se tornar um destino significativo, quando o assunto é o Turismo. Mais de 8 milhões de pessoas visitaram o país em 2016. E esse número cresce ano a ano. Cidade e população estão cada vez mais preparadas para receber os turistas.

Ho Chi Minh

Por fim, o herói nacional, Nguyen Tat Thanh. Ele é reconhecido como o responsável pela independência do Vietnã. Depois de estudar em Hue, em 1911, ele saiu do Vietnã e viajou pelo mundo. Em suas estadas na Europa, foi influenciado pelo socialismo e fundou organizações comunistas em Moscou, em Paris e na China. Em 1941, voltou para casa e adotou o nome de Ho Chi Minh (aquele que ilumina) e criou a Liga da Independência Vietnamita. Em 1966, tornou-se presidente do país e enfrentou franceses e americanos. A independência do Vietnã é considerada o seu maior feito. Ele morreu 6 anos antes da reunificação e foi embalsamado e colocado num mausoléu especialmente construído para ele, em Hanói.

Ho Chi Minh – Museu de Ho Chi Minh, em Hanói

Nos próximos posts, vou falar sobre Hanói e quase todos os seus pontos de interesse.

2017-08-02T14:49:18+00:00 4 jul 2017|Categorias: Ásia, Vietnam|Tags: , , , , |18 Comentários

18 Comentários

  1. nick neguinho 04/07/2017 at 22:08- Responder

    parabéns e obrigado pelo compartilhar

  2. Ruy 04/07/2017 at 22:44- Responder

    Muito bacana, Sônia. Sempre legal curtir suas aventuras. Vou compartilhar com meu filho, que ta na Tailândia e em breve estará por aquelas bandas.beijos.

    • Sônia Pedrosa 05/07/2017 at 10:24- Responder

      Obrigada, Ruy! Que ele aproveite bastante aquele pedacinho do planeta, que é lindo demais!

  3. Edinalva 05/07/2017 at 11:11- Responder

    Você descreve perfeitamente como é……..bom demais, revivi tudo que tinha visto por lá, é realmente fascinante, parabéns!

  4. Carla Passos 05/07/2017 at 13:37- Responder

    Excelente matéria, Sônia. Minha próxima viagem internacional será para a Tailândia e pretendo incluir o Vietnã depois de ler esse texto…

  5. Vanessa 06/07/2017 at 08:07- Responder

    Adorei Sonia. Sua cara ja dizia tudo da comida. kkkk
    Ju tb adorou.
    Obrigada por compartilhar.

    • Sônia Pedrosa 06/07/2017 at 14:48- Responder

      Obrigada, Vanessa!!!! E agradeça a Juliana por mim! Adoro os textos dela, também!

  6. Eugênio Nascimento 06/07/2017 at 23:28- Responder

    Boa matéria, Sônia. Desconhecia o potencial turístico do Vietnã. Gostei do que li. Um abraço!

  7. Anônimo 08/07/2017 at 23:34- Responder

    Parabéns pela reportagem sobre o Vietnã com muita sabedoria!!!

  8. Eva Maria de Sousa 08/07/2017 at 23:35- Responder

    Parabéns pela reportagem sobre o Vietnã com muita sabedoria!!!

  9. Anônimo 08/07/2017 at 23:37- Responder

    Belíssima reportagem sobre o Vietnã! Rica em informações.

Deixe uma resposta