montreal

Montréal inesquecível!

Montréal é a maior cidade da província de Québec, a segunda mais populosa do Canadá, e a maior cidade francesa do mundo, depois de Paris. E o que mais Montréal tem que mais chama a atenção? A simpatia do seu povo – comum em todo o país. E isso é tão evidente que chama a atenção de todos que passam por lá, até dos turistas mais desligados. Todos voltam para casa com a cordialidade canadense na cabeça.

Montreal vista do alto
Montreal vista do alto

Montréal e o frio

Outra característica no país é o clima, igualmente frio em todas as províncias. As temperaturas não fazem a menor cerimônia, quando se trata de cair, ou melhor, despencar. Elas chegam aos 20, 40 graus negativos facinho, facinho. 

O Natal é mais romântico e acolhedor, os esportes de inverno trazem gente de todos os cantos do país e lotam as muitas estações de esqui, entre elas, Mont Treblant, mais conhecida entre os brasileiros, nas imediações da cidade. Não querendo sair do limite urbano, ainda há como se divertir: cada lago congelado é um convite aos patins e, como não poderia deixar de ser, mesmo com todo o frio do mundo, há um colorido, uma alegria no ar. Talvez seja o calor humano que os canadenses esbanjam, talvez sejam os esportes de inverno – uma paixão nacional – ou ainda as comodidades que o país oferece em qualquer estação do ano. Na verdade, as pessoas não passam frio, embora tudo leve a crer que aconteça o contrário. 

Neige_Montreal

mont tremblant skiingcarros cobertos de neve nas ruas de Montréal e o Mont Tremblant

Ruas subterrâneas

Uma dessas comodidades são as ruas subterrâneas, uma verdadeira cidade embaixo de Montréal, que permite que a população transite sem precisar de casaco, botas, gorros e luvas. Ali, a temperatura é normal, talvez até um pouco mais quente. Na cidade subterrânea, as principais ruas do centro são interligadas por túneis, passagens para pedestres e escadas rolantes que ligam prédios comerciais, estações de metrô, áreas de lazer, cinemas e hotéis, facilitando a vida dos pedestres. São mais de 30 km de extensão, por onde circulam mais de 500 mil pessoas, por dia, no inverno.

  o conforto de ruas subterrâneas é um chamariz para os turistas

A língua

O inglês é falado por todos e com prazer – por uma questão de gentileza. Mas o francês é a língua-mãe, a língua do coração, a língua com a qual se dá nome às ruas, aos monumentos e se conta a história do país. O povo de Montreal é orgulhoso de seu passado, da sua história, de suas tradições.

Tradições

Uma dessas tradições é comer panqueca com o xarope de plátano, o maple syrup, típico do país, à venda em todas as barraquinhas de souvenires, em garrafinhas de todos os tamanhos, no formato da folha estampada na sua bandeira. Ir até lá e não experimentar o Maple Syrup é um pecado. Não porque seja um “manjar dos deuses” e sim porque a culinária é parte importante em uma viagem.

maple syrup                                                       maple syrup

Na parte mais antiga da cidade, a Vieux Montreal, fica a Catedral de Notre Dame, com sua fantástica arquitetura e interior riquíssimo, reconhecidamente a igreja mais bonita de Montréal, com seus vitrais de Limoges, e estilo neoclássico. Próximo dali, outros pontos de igual importância se enfileiram, esperando os turistas: Place D’Armes, Vieux Palais de Justice, o Champ de Mars – todos dignos de uma visita demorada, seja pela arquitetura ou pelo valor histórico de cada prédio, além do que há para ver, no seu interior.

Notre Dame - Montréal                                                                 Notre Dame

Notre Dameinterior da Notre Dame

Nessa parte da cidade, é possível andar pelas ruazinhas estreitas e antigas, com prédios do século XVIII, construídos com pedra, com bares e cafés nas calçadas, onde geralmente as pessoas param para um chocolate quente, uma sopa, enfim, algo que espante o frio. Enquanto fazem isso, a paisagem é das melhores: o rio que banha a cidade, o Saint Laurent, passa por ali e ele é uma boa desculpa para se demorar um pouco mais. Às margens do Saint Laurent, também fica a Torre do Relógio, verdadeiro marco da cidade, situado numa área conhecida como Vieux Port que, como todo porto que se preza, foi devidamente restaurado e transformado numa área cultural, ponto turístico. Lá fica o Marché aux puces, um mercado de pulgas bem interessante e variado, além do Centro de História de Montréal e o Museu de Arqueologia e História – visitas indispensáveis aos turistas que não querem, apenas, passar pela cidade.

Saint Laurent river

torre do relógio - Montreal

O maior parque de Montréal é o Parc des Iles, localizado na Ilha de Sainte Helene, do qual pode se ter uma das mais belas vistas da cidade. É aí que fica a Biosphére, uma espécie de museu e laboratório científico, um programa obrigatório de que vai a Montréal. No mesmo parque, o Musée Stewart – obra dos ingleses -, além do maior parque de diversões de toda a província de Québec, o La Ronde, com sua incrível montanha russa.

biofere

800px-La_Ronde_entrée

A Torre de Montréal é uma construção arrojada, inclinada, dentro do Parque Olímpico, onde aconteceram as Olimpíadas de 1976. São 175 metros de altura. E a vista lá de cima é das melhores. Nesse espaço também fica o Biodôme, que reproduz ecossistemas de várias partes do mundo. 

Biodome_de_Montreal

Quem se interessa por compras que se dirija ao Centre Eaton, um shopping center gigante, com tudo o que se possa imaginar. Outra opção é a La Baie, uma loja de departamento imensa, das mais antigas e tradicionais do país. São quilômetros e quilômetros de prateleiras e gôndolas repletas de artigos para todos os gostos e bolsos. Mas, se o objetivo é apenas conhecer a cidade e aprender um pouco sobre essa cultura, esqueça as compras e gaste, apenas, com os passeios, que são muitos. Depois de conhecer um pouco da história de Montréal e apreciar as suas belezas naturais, dá para entender porque as placas dos carros ostentam a frase “Je me souviens” – Eu me lembro. Trata-se de um poema que fala da importância de ser francês e se lembrar disso, num país onde os ingleses sempre foram os poderosos. Este é o orgulho québécois que contamina seus visitantes. Portanto, esquecer Montréal… jamais!

$_35

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *