Gorki: Museu-casa

Em Moscou, há mais de 80 museus espalhados pela cidade. Como saber quais são os melhores? Conhecendo, antes de ir. Na minha opinião, o Museu-casa de Gorki é imprescindível – tanto pelo conteúdo como também pela história que resguarda e o espaço onde está localizado. Prepare-se para uma enxurrada de curiosidades.

Portão principal do Museu-casa de Gorki
Portão principal do Museu-casa de Gorki

Museu-casa de Gorky: o que ele tem de bom?

Além de conter objetos pessoais do antigo morador, o museu é uma verdadeira pérola art nouveau, cheia de simbologias e histórias.

A entrada ao lado no Museu-casa de Gorki
A entrada ao lado

Mansão Ryabushinsky

A casa onde funciona o Museu-casa de Gorki foi projetada pelo arquiteto Fyodor Shekhtel, em 1900, para o milionário Pavel Ryabushinsky. Apaixonado e sensível às artes, ele contratou o melhor arquiteto da época para construir o seu “cantinho”, na Malaya Nikitskaya Ulitsa, 6/2.

Fachada do Museu-casa de Gorki. Foto: wikipedia
Fachada do Museu-casa de Gorki. Foto: wikipedia

Logo depois da revolução de 1917, o banqueiro fugiu da Rússia, com a família, e a sua mansão foi “nacionalizada”, servindo a várias repartições públicas, até que se transformou, a pedido de Stalin, no lar do escritor Maksim Gorki – de 1931 a 1936.

Pavel Ryabushinsky. Foto: www.vmos.ru
O milionário Pavel Ryabushinsky. Foto www.vmos.ru
Maxim Gorki
O escritor Maxim Gorki. Foto: wikipedia

Maksim Gorki

Escritor, romancista, dramaturgo, contista e ativista político russo, autor de Pequenos Burgueses, Maksim Gorki, cujo nome verdadeiro era Aleksêi Pechkov, foi um dos fundadores da literatura soviética. Foi um garoto pobre, o pai morreu de cólera quando ele ainda era criança, tendo sido criado pelos avós, até a morte da mãe, quando foi expulso de casa. Perambulou pelo país, comeu o pão que o diabo amassou e chegou a tentar o suicídio. Seus livros falam dessa vida difícil e, por isso, é reconhecido como escritor do proletariado. Tolstoi tinha inveja do sucesso e da fama de Gorki. Ele só não recebeu o Prêmio Nobel por ser amigo de Stalin.

Gorki e Estalin, num dos muito encontros de 1930 a 1936
Gorki e Stalin, num dos muito encontros de 1930 a 1936

Exagero

Gorki nem gostava da casa, achava demais pra ele e a família, preferia um apartamento. E ele tinha razão. A casa é um exagero – mas, espetacular. Para a alegria dos visitantes, locais e turistas, ela foi transformada em museu e, depois disso, foi possível explorá-la. No centro de um terreno cheio de plantas e árvores, ela tem paredes assimétricas, é revestida de tijolos claros e tem janelas de formatos diferentes entre si. As grades têm forma de ondas do mar e na fachada ao alto, um friso de mosaico retrata um jardim de orquídeas.

Mansão Ryabushinsky, com orquídeas no alto. Foto wikimedia Shesmax
Mansão Ryabushinsky, com orquídeas no alto. Foto wikimedia Shesmax
A bela grade do muro harmoniza com o jardim que cerca o museu
A bela grade do muro harmoniza com o jardim que cerca o museu

Por dentro do Museu

Na entrada, fica a porta que mais chama a atenção no museu. As maçanetas representam cavalos marinhos e o chão, um lago, com ondas que se multiplicam como se uma pedra tivesse sido atirada.

A porta da entrada principal para o museu
A porta da entrada principal para o museu
A criatividade do arquiteto era do teto ao piso
A criatividade do arquiteto era do teto ao piso

No interior, o que vemos são tetos rebuscados, vitrais coloridos e caixilhos de portas esculpidos, maçanetas e paredes coloridas. Mas, a pièce de résistance é a escadaria, que mais parece uma onda do mar, de calcário estoniano polido, que termina com a luminária que lembra uma água-viva.

A escada famosa e um vitral ao fundo
A escada famosa e um vitral ao fundo
Água viva
A escada e a água viva, de outro ângulo
Salamandras e lírios se enrolam e se misturam no capitel
No final da escada, salamandras e lírios se enrolam e se misturam no capitel
Os vitrais coloridos iluminam e dão cor ao museu
Os vitrais coloridos iluminam e dão cor ao museu
vitrais por toda a casa
vitrais por toda a casa
Crisântemos esculpidos no teto
Crisântemos pintados e esculpidos no teto
Cada porta tem uma maçaneta diferente
Cada porta tem uma maçaneta diferente
Outra porta, outra maçaneta
Outra porta, outra maçaneta
Mais um modelo de maçaneta
Mais um modelo de maçaneta

A chegada de Gorki à casa

Antes de Gorki chegar, uma comissão foi criada para adequar a casa aos novos moradores. Vários reparos foram feitos e outros móveis foram providenciados: estantes para os 12 mil volumes do escritor, sofás de couro e um quarto. Na sala abaixo, Gorki recebia os amigos, escritores e artistas, com almoços e jantares.

Referência

A casa tornou-se uma referência e substituiu o clube dos escritores, recebendo e ajudando os iniciados na literatura, os menos favorecidos pelo regime de então. O próprio Stalin e família frequentavam a casa de Gorki. Quando isso acontecia, funcionários do Kremlin eram destacados para ajudar a servir.

Qualquer pessoa pode pegar um dos livros da estante para ler sentado à mesa
Ainda hoje, qualquer pessoa pode pegar um dos livros da estante para ler sentado à mesa em frente
Sala de jantar para oito. Mas a casa acomodava em torno de cem pessoas
Sala de jantar para dez. Mas a casa acomodava em torno de cem pessoas
Mais estantes espalhadas pela casa
Mais estantes espalhadas pela casa

O cômodo abaixo era um pequeno escritório, mas serviu como quarto, quando o escritor decidiu se transferir do andar de cima para o térreo, por causa das suas limitações com as pernas.

O quarto de Gorki, com móveis escolhidos pela comissão designada por Stalin
O quarto de Gorki, com móveis escolhidos pela comissão designada por Stalin

Em torno da lareira, ficou a coleção de miniaturas orientais em marfim – Netsuke – de Gorki. As miniaturas eram trazidas pelos amigos e conhecidos, sempre que chegavam de uma viagem. Hoje, é considerada uma das melhores coleções do mundo.

A coleção de Netsuke
A coleção de Netsuke
Vários armários guardam a coleção de Gorki
Vários armários guardam a coleção de Gorki

Mesa e banquinho usados por Gorki – presentes da sua família – numa das salas da casa.

Estética oriental para harmonizar com as miniaturas chinesas
Estética oriental para harmonizar com as miniaturas chinesas

Casa ou cilada?

Um dos telefones dessa sala abaixo era uma linha direta com Stalin. Embora, no final, a amizade entre o escritor e Stalin tenha azedado, no início, eles eram muito próximos. Na reforma pela qual a mansão passou em 1970, foi encontrado, atrás do sofá, um aparelho de escuta telefônica. Não sei se Gorki era intuitivo, mas, ele costumava dizer: nessa casa, há um ouvido atrás de cada porta.

Sala de trabalho
Sala de trabalho

Gorki e família

No segundo andar, estão os objetos pessoais, sinais de vida em família, como por exemplos, as fotos.

A mulher de Gorki, Ekaterina Peshkova e o filho
A mulher de Gorki, Ekaterina Peshkova, e o filho
Amigos e família preservados em álbuns e porta-retratos
Amigos e família preservados em álbuns e porta-retratos
Um dos quadros espalhados pela casa
Um dos quadros espalhados pela casa, Gorki na meia idade
Máscara mortuária de Gorki
Máscara mortuária de Gorki
Gorki viveu nessa casa até o final da vida, em 1936
Gorki viveu nessa casa até o final da vida, em 1936.
Vasta coleção de fotos, quadros e documentos no Museu-casa de Gorki
Vasta coleção de fotos, quadros e documentos no Museu-casa de Gorki
Fotos e documentos, rascunhos de livros e ensaios
Fotos e documentos referentes à mansão Ryabushinsky

No terceiro e último andar, existe uma capela, uma capela secreta, construída em 1904, com símbolos cristãos. Em grego antigo, está escrito no teto: “Os verdadeiros cristãos serão santificados por seus sofrimentos no dia do juízo final”.

A capela no último andar
A capela no último andar
O teto da capela, cheio de simbologias.
O teto da capela, cheio de simbologias.

Para visitar o Museu-casa de Gorky, siga para esse endereço:
6/2 Malaya Nikitskaya Ul., M. Arbatskaya
Ele fica aberto às quartas e sextas-feiras, das 12h às 19h
Quintas, sábados, domingos, das 10h às 17h
Fechado às segundas, terças e últimas sextas-feiras de cada mês.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *