Fortaleza de Pedro e Paulo, o início de São Petersburgo

A Fortaleza de Pedro e Paulo, que nasceu com o objetivo de defender o país, deu início à cidade de São Petersburgo. Ela terminou desempenhando várias funções, menos, as militares. Sua localização é na ilha de Zayachy. Perto dali, Pedro, o Grande mandou construiu uma cabana, onde se acomodou para acompanhar a construção da fortaleza bem de perto. Pedro, que era um homem sem grandes exigências, chamava a cabana de apenas duas salas, de “meu belo palácio”. A “Cabana de Pedro” foi declarada patrimônio histórico em 1723, quando ele ainda estava vivo.

Cabana de Pedro
A cabana de Pedro, com ele à frente, foi a primeira construção de São Petersburgo

Fortaleza de Pedro e Paulo: como chegar

Tendo como referência a Avenida Nevsky ou o Hermitage, é possível ir até lá, andando. No meio do caminho, várias edificações históricas, pontos turísticos e curiosidades justificam a caminhada de 2,5 km. Depois de atravessar a Ponte da Praça do Palácio, passamos pelas Colunas Rostais e a Bolsa de Valores. Nas imediações, estão o Cruzador Aurora, a Cabana de Pedro, o Grande, a Capela Troitskaia e a Mesquita principal.

para chagar à Fortaleza de Pedro e Paulo
O caminho que nós fizemos para chagar à Fortaleza de Pedro e Paulo: mais ou menos 2,5 km
As colunas rostais
Na base das colunas, estão as esculturas que representam os rios Volga, Dniepre, Neva e Volkhov
Bolsa de Valores
A Bolsa de Valores, as colunas rostais e o Cais da Ponta foram o 1º conjunto arquitetônico clássico da cidade.
Cruzador Aurora
O cruzador Aurora, do século 19, é patrimônio histórico de São Petersburgo. Atualmente, funciona como museu.
Cabana de Pedro
a Cabana de Pedro foi construída em 3 dias e é dedicada à memória do seu morador.
A Capela Troitskaia ou da Santa Trindade
A Capela Troitskaia ou da Santa Trindade
mesquita
O azul turquesa da cúpula da mesquita chama a atenção de quem passa por ali.

Fortaleza de Pedro e Paulo: o que ver

Construída há pouco mais de três séculos, hoje, a Fortaleza de Pedro e Paulo resguarda os túmulos de quase todos os imperadores e imperatrizes do país, inclusive da família Romanov. Por trás dos muros, estão várias edificações, mas aqui estão apenas, as principais: a prisão Trubetskoy Bastion, que abrigou presos famosos; a Casa da Moeda, a Catedral de Pedro e Paulo, a primeira da cidade, além de vários museus, como a Boathouse, o Museu da Tortura e a Casa do Comandante, que contam a história do início de São Petersburgo.

A Fortaleza de Pedro e Paulo
A Fortaleza de Pedro e Paulo foi fundada em 16 de maio de 1703.

A Fortaleza

Antes de atravessar a última ponte, já avistamos a catedral ortodoxa de São Pedro e São Paulo e o caminho que nos leva a ela.

Ponte Ioannovski
Construída em 1703, ela se chamava Ponte Petrovski. Em 1887, passou a chamar Iannovski.
Fortaleza de Pedro e Paulo
Os muros que cercam a Fortaleza de Pedro e Paulo, e a catedral.

Catedral de São Pedro e São Paulo

Chegando lá, assim que atravessamos o portão, logo nos deparamos com a Catedral, altíssima, amarela e linda – por fora e por dentro. Erguida entre 1712 e 1733, a Catedral de São Pedro e São Paulo ocupa um lugar especial entre os templos de São Petersburgo. Trata-se de um monumento ao barroco da época e o edifício mais alto da cidade. Com o anjo dourado em cima da flecha do campanário, ela chega a 121,5 metros de altura.

 Catedral de São Pedro e São Paulo
A Catedral de São Pedro e São Paulo, construção de 1733.
o anjo catavento
o anjo-catavento, no topo da torre da igreja. Foto: divulgação

Em 1756, a Catedral sofreu um incêndio, mas Catarina, a Grande, ordenou a sua reconstrução, assim como a recuperação do iconóstase (que é uma parede ou biombo de ícones, para separar a nave da igreja do altar – deixando que este fique visível ou não) e a recolocação de novos sinos, comprados na Holanda. Antigamente, a cada hora, os sinos tocavam o hino real russo – Deus salve o Tsar. Com o fim do Império, eles passaram a tocar o hino soviético. Hoje, parece que eles não tocam nada. Eu, pelo menos, não ouvi nada!

Catedral de São Pedro e São Paulo.
O magnífico interior da Catedral de São Pedro e São Paulo.
Catedral de São Pedro e São Paulo
A iconóstase entalhada em madeira é única no gênero e representa um grande arco do triunfo.

De Pedro I à Família Romanov

Hoje, a Catedral continua com sua função religiosa, mas é, também, um museu e local dos túmulos dos soberanos russos e seus parentes, desde Pedro I (o Grande), falecido em 1725, quando a Catedral ainda não estava terminada, à Dinastia Romanov, passando por Catarina, a Grande, Alexandre I, II e III além de outros menos festejados.

As tumbas de Catarina, a Grande e Pedro, o Grande.
A primeira tumba é de Catarina I e a última, de Pedro, o Grande.
túmulo de Pedro, o Grande
O túmulo de Pedro, o Grande, é um dos mais visitados. As pessoas ainda levam flores para ele e os outros.
túmulos dos soberanos russos e seus parentes
A memória dos soberanos russos é considerada sagrada. Alguns deles foram canonizados
túmulos
Os túmulos estão espalhados no espaço dedicado a eles
Túmulo da Imperatriz Maria Fiodorovna
Túmulo da Imperatriz Maria Fiodorovna, casada com Alexandre III e mãe de Nicolau II

Os Romanov

O imperador Nicolau II e sua família – a mulher, Czarina Alexandra e seus cinco filhos Olga, Tatiana, Maria, Anastácia e Alexei, além do médico Eugene Botkin e uma funcionária, foram mortos em Ecaterimburgo, por tropas bolcheviques. Por volta da meia-noite, do dia 17 de julho de 1918, o dirigente da execução pediu ao médico que acompanhava a família que os acordassem e que eles vestissem suas roupas. Todos achavam que estavam sendo transferidos para um lugar mais seguro, mas eles foram para o porão, onde seriam executados, depois de ouvirem a sentença.

Família Romanov
Nas paredes da catedral, a família Romanov, que foi canonizada como os demais imperadores russos

Em 1998, no octogésimo aniversário de morte da Família Romanov, os restos mortais de Nicolau II e sua família foram sepultados na Catedral de São Pedro e São Paulo. Em 2000, eles foram canonizados.

Túmulo da família Romanov
Túmulo grão-ducal, construído para o enterro dos membros da família do Imperador Nicolau Romanov.

Boathouse

Ao lado da Catedral, está a Boathouse, construída de 1762 a 1765, para abrigar o bote de Pedro, o Grande, que ele utilizou para aprender os princípios navais em lagos na área de Moscou. Mantido no pavilhão de 1767 a 1931, o bote foi substituído por uma réplica. A Boathouse também é usada como bilheteria para as exposições e museus da fortaleza.

Boathouse
Os ingressos para a visita à Fortaleza de Pedro e Paulo são comprados na Boathouse
A réplica do barco de Pedro
A réplica do barco de Pedro, o Grande

Bastião Trubetskoy

Esta prisão era destinada a presos políticos. Por ali, passaram Leon Trotsky, Fyodor Dostoevsky, Maxim GorkiAlexander Ulyanov (irmão de Lênin) e outros tantos, homens e mulheres devidamente identificados nas portas de cada cela. A prisão Trubetskoy (Тюрьма Трубецкого бастионаtambém foi o local onde Pedro, o Grande, mandou torturar, até a morte, o seu próprio filho.

Bastião de Trubetskoy
A Prisão Trubetskoy é bastante concorrida
Bastião de Trubetskoy
Os corredores da prisão dão uma ideia do quão tenebrosos eles podiam ser naquele tempo.
Bastião de Trubetskoy
Nos corredores, as fotos e um pequeno histórico de cada preso que passou pela prisão Trubetskoy.
Bastião de Trubetskoy
Na porta da cela de Gorki, sua foto
Bastião de Trubetskoy
Celas iguais: uma cama, uma mesinha e o quadro de um santo – São Jorge ou Nossa Senhora de kazam.
Ludmila Stal
Ludmila Stal, presa várias vezes em Trubetskoy.
Alexander Ulyanov, irmão de Lênin
Alexander Ulyanov, irmão de Lênin, também esteve na prisão Trubetskoy, pelo atentado a Alexandre III.

Casa da Moeda

O prédio principal da Casa da Moeda é um dos mais antigos da cidade e foi construído entre 1800 e 1805, para substituir as oficinas de cunhagem na Fortaleza de Pedro e Paulo, que produziam dinheiro e medalhas desde 1724. Concebido em estilo clássico, o edifício principal foi complementado nas décadas de 1830 e 1840 por outras oficinas. A Casa da Moeda continua a produzir moedas, prêmios estaduais e outras medalhas oficiais.

Casa da Moeda
Esta é uma das maiores casas da moeda do mundo

Casa do Comandante

Local das exposições do Museu da História de São Petersburgo, a Casa do Comandante é um edifício barroco, construído entre 1743 e 1746. A fachada principal permanece praticamente inalterada desde então. O prédio abrigava os alojamentos do Comandante da Fortaleza e sua da sua família, além de uma capela, uma lavanderia e estábulos. Em outubro de 1917, o edifício tornou-se, por algum tempo, a sede do Comitê da Guerra Revolucionária de Petrogrado.

A Casa do Comandante
A Casa do Comandante é um edifício barroco construído entre 1743 e 1746.

Monumento Pedro, o Grande

Em frente ao edifício principal da Guarda, existe uma estátua de Pedro, o Grande, que chama a atenção pela desproporção: cabeça pequena e corpo enorme chegam a ser engraçados. Não sei se o fundador da Fortaleza de Pedro e Paulo e de São Petersburgo ficou feliz com o resultado. Mas, os turistas adoram!

Pedro, o Grande
Pedro, o Grande, desproporcional, mas com personalidade.

Museu da Tortura

Esse museu reúne instrumentos de tortura utilizados na idade média. Achei que podia dispensá-lo. Tortura é um assunto que me causa náusea. Passei pela porta, vi essas figuras e dei por visto. Estou me poupando!

Museu da tortura
Museu da Tortura. Preferi não ver.

Visita à Fortaleza de Pedro e Paulo

A entrada na Fortaleza é de graça, mas para visitar cada atração, é necessário comprar um ingresso, que é vendido na entrada. O ideal é comprar o passe que dá direito a todas as atrações e reservar uma manhã ou uma tarde inteira para a visita. Todas as exposições estão abertas diariamente, das 10 às 18 horas, exceto às quartas-feiras. Terças, das 10 às 17 horas.

Ingressos: 600 rublos (adultos) e 350 rublos (estudantes) – 36 reais e 21 reais, respectivamente .

8 comentários sobre “Fortaleza de Pedro e Paulo, o início de São Petersburgo”

  1. Sônia, como sempre, quero parabenizá-la pela qualidade do blog, que, aliás, se distancia da média local justamente pela excelência no relato jornalístico e na riqueza das imagens. Mas fiquei sentindo a falta desse museu da tortura, justamente pelo caráter absurdo que ela (a tortura) representa na história da humanidade. precisamos rememorá-la sempre, para combatê-la. Esquecer é perdoar. Ainda mais que esse terrível instrumento segue em pleno vigor no século 21.

    1. Você tem toda a razão, Luciano! Foi um lapso meu deixa de ir. Acho de extrema importância relembrar certas coisas para que elas não se repitam. Obrigada pela observação! Um grande abraço!

  2. Mais uma ótima matéria e a vontade crescente de um dia visitar a Rússia. Parabéns e obrigado.

    1. Obrigada! Você não deixou seu nome… de qualquer forma, agradeço e reafirmo: a Rússia é um país incrível e deve ser visitado!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *