Praga

Praga: a capital da República Tcheca

Por Wendell Almeida

A cidade onde o antigo e o moderno convivem em paz é o destino perfeito para todos os gostos e interesses. O romantismo clássico, que convida casais apaixonados, em lua de mel; a arquitetura gótica e medieval, que impressiona admiradores e artistas e a atmosfera alegre e descontraída, que atrai jovens europeus e do resto do mundo, para apreciar a boa e barata cerveja, fazem de Praga um misto, nada previsível, de cenário de conto de fadas e divertida opção de lazer.

Com base nos programas que eu fiz em 4 dias na capital da República Tcheca, convido você a conhecer um pouco mais sobre um dos mais procurados destinos da Europa.

Praça da Cidade Velha – o coração da cidade.

De nome impronunciável, pelo menos para quem, como eu, não é nada familiarizado com o idioma tcheco, a Staroměstské náměstí – praça da cidade velha – é o coração pulsante de Praga. Um espaço quase totalmente livre de edificações, não fosse pelo enorme monumento em homenagem a Jan Hus (padre que criticava a venda de indulgências pela igreja e que, por isso, foi queimado vivo), onde milhares de pessoas circulam durante todo o dia e parte da noite.

Praça da Cidade Velha, em Praga
Monumento em Homenagem a Jan Hus, na Praça da Cidade Velha em Praga

Catedral de Týn

Ponto de partida de city tours (a pé ou de ônibus) e passeios de charretes, localiza alguns dos interesses mais visitados da cidade, a exemplo da emblemática Catedral diante de Týn, com sua entrada curiosamente escondida por dois edifícios construídos na frente. Maior símbolo da arquitetura gótica da República Tcheca, sua construção data de 1365 e impressiona pelas duas torres pontudas, que ultrapassam os 80 metros de altura. Embora tenha me encantado mais por fora do que por dentro, principalmente, quando comparada a outras igrejas de Praga, recomendo conhecê-la internamente.

Catedral de Týn na Praça da Cidade Velha em Praga
Catedral de Nossa Senhora de Týn, escondida atrás de dois edifícios, na Praça da Cidade Velha em Praga

Torre da Prefeitura

No lado oposto da praça, quase que de frente para a Catedral, fica a Torre da Prefeitura, de onde se tem uma linda vista da cidade velha, e em cuja parede fica o famoso Relógio Astronômico – Orloj, construído em 1410 pelo mestre relojoeiro Hanus. Reza a lenda que o artista foi deixado cego para que não pudesse criar outro relógio igual. A composição de mostruários astronômicos indica a data e as horas, registra a posição do sol, ciclos astronômicos, fases da lua e feriados do calendário cristão.

Torre da Prefeitura, em Praga
Centenas de pessoas passam e se concentram em frente à Torre da Prefeitura, em Praga.

Eu confesso que fiquei alguns minutos olhando e não entendi absolutamente nada! rs. Mas é de impressionar pela riqueza dos detalhes. Não é à toa que concentra centenas de pessoas à sua frente, principalmente, no momento da passagem da hora, quando bonecos que representam os apóstolos aparecem numa curta apresentação mecânica, acima dos mostradores.

Relógio astronômico, em Praga.
O famoso relógio astronômico – Orloj, na parede da Torre da Prefeitura.
Vista da Torre da Prefeitura, em Praga
A vista do alto da Torre da Prefeitura, em Praga.

Para visitar a Torre

Ingressos para subir à Torre, com opção de conhecer os mecanismos do show de bonecos, são vendidos ali do lado, na Old Town Hall. Ali também é possível contratar city tours e outros passeios pela cidade e entorno.

Igreja de São Nicolau

Ainda na praça, fica uma das duas Igrejas de São Nicolau existentes na cidade. Esta, de arquitetura barroca e gótica tardia, foi construída de 1732 a 1737. A visita ao seu interior vale a pena, até porque é local por onde você vai passar algumas vezes na cidade. Há outra igreja de São Nicolau em Malá Strana, do outro lado do Rio Moldava. Na grande maioria das igrejas de Praga há concertos de música clássica à noite. Os ingressos são vendidos em guichês nas portas e variam muito de local para local.

Igreja de São Nicolau, Praga.
Igreja de São Nicolau, na cidade velha, em Praga. Há outra de mesmo nome em Malá Strana.

Na praça da cidade velha você encontrará ainda, restaurantes, lojas de souvenirs e barraquinhas de comidas típicas, como o famoso trdelnik (uma espécie de pão doce em forma de cilindro, com diversas opções de recheio) e de cervejas e outras bebidas.

Trdelnik, pão doce, em Praga.
Trdelnik, o pão doce em formato cilíndrico, com várias opções de recheio.

Todos os caminhos levam à Ponte Carlos

Dividida pelo Rio Moldava, Praga tem algumas pontes, que ligam a cidade velha (Staré Mesto) à cidade pequena (Malá Strana).

Ponte Carlos, em Praga.
Ponte Carlos, um dos locais mais frequentados em Praga.

A mais antiga delas, a Ponte Carlos, levou cem anos para ser construída (de 1357 até início do século XV). Sua arquitetura impressiona pela construção em pedras e pelas 30 imensas estátuas góticas de santos, que a acompanham em toda a sua extensão, a exemplo da estátua de São João Nepomuceno. Em sua base há uma estrutura de bronze, onde os turistas costumam esfregar a mão, com o objetivo de ter sorte. Verdade ou não, já que eu estava lá… rs

Estátua de São João Nepomuceno na Ponte Carlos
Esfregar a mão na estrutura de bronze na estátua de S. João Nepomuceno, dá sorte, segundo reza a lenda.
Vista da Ponte Carlos, em Praga.
O Castelo de Praga, lá no alto, visto da Ponte Carlos, em Praga.

Ao longo de toda a ponte, artistas de rua (cantores, dançarinos, estátuas vivas, pintores, caricaturistas etc.) se posicionam para fazer sua arte em troca de doações dos turistas. É impossível atravessar a ponte sem permanecer nela por alguns minutos, fazendo fotos, admirando as 30 estátuas, ou curtindo as atrações artísticas ali apresentadas aos transeuntes. Reserve um tempo para esta atração!

Artistas de rua na Ponte São Carlos, em Praga, República Checa
Artistas de rua fazem a alegria de quem passa pela Ponte Carlos
Ponte Carlos, em Praga.
Parada “obrigatória” durante a travessia da Ponte Carlos para admirar a arte de rua.

Meio que como portais de entrada da ponte, em cada extremidade há um linda torre gótica, aonde é possível subir e ter um vista completa do local. Ali do lado, há pontos de vendas de passeios de barco pelo Rio Moldava, de onde se pode ter uma perspectiva diferente da vista da cidade. Os barcos saem dali mesmo.

Torre de entrada da Ponte Carlos
Torre de entrada da Ponte Carlos, no lado da Staré Mesto (cidade velha), em Praga.
Torre de entrada da Ponte Carlos
Torre de entrada da Ponte Carlos, no lado da Malá Strana (cidade pequena), em Praga.

A ponte é passagem para a cidade pequena, onde está localizado o Castelo de Praga. Portanto, passar pelo local é meio que obrigatório e recorrente para todos que visitam a cidade.

Prazsky Hrad – O maior “castelo” do mundo

Apesar de ocupar, de fato, cerca de 45 hectares, ostentando, por conta disto, o título de maior castelo do mundo, o Castelo de Praga é, na verdade, um complexo de palácios, localizado na Colina Hradcany, onde foi fundada a cidade. Mas, quem vai perder o interesse na visita por conta desta informação, não é mesmo? Eu não perdi e não me arrependi!

Castelo de Praga
Castelo de Praga, que, na verdade, é um complexo de palácios.

Catedral de São Vito

A vista de Praga, lá de cima, já vale a pena a visita. Não só por isso, além das várias instalações abertas aos visitantes, é imperdível a visita à Catedral de São Vito, cujas torres, inclusive, são o ponto mais alto do castelo, visto de praticamente qualquer lugar da cidade.

Mesmo quem não é especialista no assunto, como eu, identifica de longe o estilo gótico da arquitetura da catedral (além de outros quatro estilos que a caracterizam), construída há 700 anos.

Catedral de São Vito,, no Castelo de Praga.
Catedral de São Vito, o prédio mais alto do complexo do Castelo de Praga.

Túmulos

Em seu interior se destacam as inúmeras e lindas janelas de vitrais de mosaicos coloridos, que, ao filtrarem a luz externa, iluminam o local com uma vibrante mistura de cores; além dos túmulo de São João Nepomuceno, todo em prata, e do próprio São Vito.

Catedral de São Vito, em Praga
Vitrais de mosaico colorido no altar da Catedral de São Vito, no Castelo de Praga

A Praga de David Černý

Maior artista contemporâneo da República Tcheca, David Černý é autor de obras inusitadas e provocadoras que, distribuídas pela cidade de forma discreta ou ostensiva, se transformaram num roteiro especial, procurado pelos visitantes de Praga. Localizado na Galeria Lucerna, na Praça Venceslau, a obra “Cavalo” (Kůň), é uma estátua de São Venceslau sentado na parte inferior de um cavalo posicionado de ponta-cabeça.

Cavalo, escultura de David Cerny, em Praga.
Cavalo, escultura de David Cerny, em Praga.

Nas proximidades do nº 4, da Husova, esquina com Betlémské Náměstí, encontra-se no alto de uma estrutura que se estende da parede, a estátua de um homem pendurado pela mão. Segundo a concepção do artista, este homem é, nada mais nada menos, que Sigmond Freud, o pai da psicanálise. A imagem pode causar aos desavisados um certo susto, dando a impressão de ser uma pessoa prestes a cometer suicídio.

Sigmond Freud, de David Cerny
Sigmond Freud pendurado – escultura de David Cerny, em Praga

A cidade de Praga tem orgulho de um de seus mais célebres filhos, o escritor e intelectual Franz Kafka, autor da conhecida obra literária “Metamorfose”. David Cerný não deixou seu ilustre conterrâneo de fora de sua obra, e, para homenageá-lo, ergueu A Cabeça de Kafka, um monumento de aço inox, com 11 metros de altura e 42 camadas que, movimentadas por engrenagens, giram em sentidos diversos, compondo diferentes formatos da cabeça.

Cabeça de Franz Kafka, de David Cerny.
Cabeça de Franz Kafka, escultura de David Cerny, em Praga

A obra fica na Rua Vladislavova, atrás do centro comercial Quadrio, em cima da estação de metrô Narodini Trida.

Do lado de fora do Museu Franz Kafka, fica a obra Piss. Misto de escultura e fonte, a instalação, representada por dois homens urinando, um em direção ao outro, foi construída em 2004.

Piss, escultura de David Cerny, em Praga
Piss, escultura de David Cerny, em Praga

Praga Antiga x Praga Nova

Embora ostente o título de cidade nova, a parte mais “moderna” de Praga data do século XIV, de modo que apenas um século separa a sua construção da parte antiga da cidade, que data do século XIII. Separando as duas partes da cidade, velha e nova, a Torre de Pólvora (Prašná brána) é um edifício de arquitetura gótica, construído originalmente em 1475 para ser uma das 13 portas da cidade murada de Praga. Foi o ponto de partida do caminho real, o percurso que todos os reis e rainhas da Boêmia fizeram até a Catedral de São Vito, no Castelo de Praga, para as cerimônias de coração.

Torre de Pólvora, em Praga
Torre de Pólvora, antigo portão de entrada de Praga, quando a cidade era murada.

A subida na Torre é permitida, mediante a aquisição de ingresso.

Fora do roteiro

Além de não ser unanimidade nos roteiros sugeridos em Praga, a Casa Dançante é um lugar igualmente controverso para os moradores da cidade. O prédio (de escritórios) foi erguido no local de um outro, destruído em 1945, no bombardeio de Praga. Sua arquitetura moderna, de curvas e faixadas de vidro, contrasta com a dos prédios vizinhos, destacando-o como uma obra irreverente.

Casa dançante, em Praga
Casa dançante, prédio de escritórios, construído no lugar de outro prédio, destruído no bombardeio de 1945
Vista da Casa Dançante, em Praga.
O contraste da Casa Dançante, com os prédios antigos da cidade.

Se tiver tempo sobrando, vale a pena dar uma passada pelo local para fazer algumas fotos.

O muro de John Lennon também não pode ser considerado um símbolo de Praga. Mas, após atravessar a Charles Bridge, chegando na Malá Strana, vale a pena descer a escadaria que fica à esquerda e procurar, na Praça Velkopřevorské Náměstí, essa parede totalmente pintada com grafites sobrepostos, aplicados por diversas pessoas do mundo. É permitido levar seu spray e deixar a sua marca no lugar.

John Lennon Wall, em Praga
John Lennon Wall, em Malá Strana. Parede toda grafitada com mensagens de paz.

Praga é, sem dúvidas, um destino incrível e obrigatório na lista de todo viajante. Para todas as direções que se olhe na cidade é possível se impressionar com a riqueza e graciosidade da arquitetura e das belezas naturais. Para mim foi uma grata surpresa. Nos quatro dias que passei na cidade acumulei memórias que pretendo manter para sempre.

Como chegar:

Praga é bem servida de vôos, partindo de diversos locais do mundo. Estando na Europa, é tranquilo chegar de trem, a partir de cidades da Alemanha, Áustria, Eslováquia e Polônia, países fronteiriços.

Quando ir:

O outono e a primavera são as melhores épocas do ano para visitar Praga. O inverno costuma ter temperaturas muito baixas. No verão, as temperaturas não são tão diferentes das nossas aqui no Brasil. Portanto, se você gosta de calor, pode ser uma boa época também.

Onde ficar:

Acomodações dos mais diversos tipos e preços não faltam em Praga. Embora não seja tão pequena, é possível alcançar vários pontos turísticos a pé e, por isso a maioria dos hotéis e hostels ficam muito bem localizados.

Evitando perrengues:

Praga é muito bem servida de transporte público, seja ônibus, metrô ou “tram”, o trem de superfície. Portanto, não é necessário gastar dinheiro com táxi, a não ser para longas distâncias, como para o aeroporto. Neste caso, há a opção de uber.

A dica no transporte público é comprar o bilhete nas estações de metrô/tram e, ao entrar no veículo, ou passar pelo aparelho nas plataformas, validar o ticket para evitar ser apanhado numa blitz e ter que pagar multa por estar com um bilhete sem validação. Os preços dos bilhetes variam com a duração que você escolher, e a contagem do tempo inicia com a validação do ticket.

A moeda em Praga é a coroa tcheca. Há muitas casas de câmbio espalhadas na cidade para trocar seus euros em coroas. Evite as casas localizadas em locais turísticos, onde o câmbio não favorece. Vale a pena caminhar um pouco mais para encontrar um lugar mais atraente.

Um walking tour com guia é recomendável porque permite conhecer detalhes da história local e dados que só um residente da cidade conhece.

Não deixe de experimentar o famoso joelho de porco, servido em vários pontos da cidade.

Os preços em Praga, em geral, são baixos. Mas podem baixar ainda mais à medida que você se afasta dos locais turísticos. A diferença pode ser considerável.

22 comentários sobre “Praga: a capital da República Tcheca”

  1. Que legal.
    Texto completão !! :))))

  2. Excelente texto! Relatos bem descritos, deram vontade de sair para lá ainda hoje kkkkkk
    Ótimas fotos também! Já quero uns três Trdelnik.

    1. Hahaha, que legal, Rael. Se eu pudesse, voltaria lá hoje mesmo também. E o trdnelnik… é mesmo uma delícia. Muito obrigado pela visita. Gde abco.

  3. Dicas excelentes para quem procura novos roteiros, o blog muito interessante e de convidaditivo para a leitura, literalmente uma mostra de viagem do que efetivamente pode ser conhecido, as imagens nos fazem viajar em tais lugares! Parabéns!! 👏🏽👏🏽

  4. Nunca li um post tão completo sobre essa linda cidade!!! Relembrei saudosa os lugares por ande andei e fiquei curiosa para conhecer aqueles que não vi!! Obrigada por compartilhar conosco essa bela experiência!!

  5. Post maravilhoso! Curiosíssimo pra conhecer Praga e comer Trdelnik ahhahaaha

    Thanks 😘

    1. Não vai se arrepender! Comer um trdelnik na Praça da Cidade Velha de Praga é algo para ficar na lembrança. 🙂

    1. Que legal, Anna!
      Fico feliz em ver que inspiramos essa volta!
      Obrigada e um beijo grande,
      sonia.

  6. Nossa amei o artigo pois ano q vem vou para praga!!! Já anotei tudo para aproveitar cada passeio e comer um trdelnik. Obrigada 😁

  7. parabéns, post fantastico, muitas dicas legais, acabei indo pra Praga agora no mês de agosto/2019, não estava no meu roteiro, no entanto, acabou sendo a cidade que achei mais bonita desta última viagem que fiz na Europa.👍🏻👍🏻

  8. Maravilhoso! Fui em Budapeste, mas deixei de ir em Praga! Deveria ter ido, pelas coisas expostas aqui!

    Realmente incrível!

  9. Nossa! adorei o seu post! foi uma maneira de recordar minha viagem! Parabéns, muito completo e vai ajudar muitos viajantes.

    1. Que bom que vc gostou Thais!
      Nós agradecemos muito!
      Beijão,
      sonia.

    1. Que legal, Laryssa!
      Ficamos felizes em lhe inspirar!
      Beijão,
      sonia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *