De camelo, pelo deserto do Saara, no Marrocos

O Deserto do Saara, no Marrocos

Por Wendell Almeida

O contraste e a riqueza de cores, sabores, sons e cheiros faz do Marrocos uma fantástica oportunidade de experiência sensorial. Nenhuma foto ou filme é capaz de reproduzir as inúmeras sensações que experimentamos, numa viagem pelo país. Por isso, convido você a ler o meu relato sobre esse tour de 3 dias, de Marrakech ao Deserto do Saara. 

Luminárias marroquinas vendidas no souk
Luminárias marroquinas vendidas no souk
calçado marroquino
Calçados típicos usados com as túnicas, no Marrocos

Marrakech: uma cidade para os cinco sentidos

Num rápido passeio pelo souk (mercado), na medina (parte murada da cidade), é possível se inebriar com a mistura da melodia das flautas dos “hipnotizadores” de serpente, misturada ao ritmo das orações do Salat, que ecoam dos alto-falantes das torres das mesquitas; ou com o aroma dos temperos e iguarias, que se confunde com a enorme variedade de incensos vendidos nas barracas; ou ainda com os sabores das comidas típicas, das mais apimentadas às mais doces. À visão, sobra a confusão cromática das vestimentas e de outros tantos produtos ofertados à venda.

souk - mercado marroquino
O famoso souk (mercado) marroquino

Rumo ao deserto

Em Marrakech, resolvi comprar, no próprio riad (espécie de hospedaria local) onde estava hospedado, um passeio de 3 dias ao Deserto do Saara (€ 85). Uma van nos buscou e passou por alguns hotéis buscando outros passageiros.

O caminho que fizemos de Marrakech a Merzouga
O caminho que fizemos de Marrakech a Merzouga. Google Maps

Deixamos Marrakech em direção à Cordilheira do Atlas, uma cadeia de montanhas cujos pontos mais altos oferecem vistas incríveis.

Montanhas do Atlas, no Marrocos
A vista das montanhas do Atlas

Coisa de cinema, literalmente!

No primeiro dia, passamos por vários vilarejos, a exemplo de Touama, Tazart, Zerkten, até chegar ao ksar (aldeia fortificada) de Ait-Ben-Haddou, considerado o mais bem preservado do Marrocos, incluído na lista de patrimônios da UNESCO.

Aldeia fortificada - ksar Ait-Ben-Haddou
o ksar de Ait-Ben-Haddou, cenário de várias obras do cinema mundial

Suas edificações feitas de taipa e argila se espalham entre becos que levam ao alto da colina.

ksar Ait-Ben-Haddou
Edificações feitas de argila e taipa no ksar Ait-Ben-Haddou

O local já serviu de locação para grandes obras do cinema mundial, como Lawrence da Arábia, A Múmia e Gladiador; e da TV, como Game of Thrones e, recentemente, da série mexicana Maria Madalena.

ksar Ait-Ben-Haddou, no Marrocos
As cores da construção se confundem com o tom da aridez da paisagem

A visita foi realmente incrível e me transportou para uma realidade espaço-temporal mágica.

marroquino morador do ksar
Alguns moradores do ksar nos acompanharam em nossa visita, enriquecendo, ainda mais, a experiência

Após o almoço, num restaurante localizado próximo à aldeia, seguimos viagem, presenciando a mudança da paisagem, que ficava cada vez mais árida. No final da tarde chegamos à Ait Sedrate Jbel El Soufla, na província de Ouarzazate, onde jantamos e dormimos numa pousada simples, mas aconchegante (tudo incluído no preço do passeio).

Ouarzazate, Marrocos
A mudança da paisagem, cada vez mais árida, ao longo do caminho

Tapetes: uma arte marroquina

Após o café da manhã, deixamos o local com destino a Toudgha El Oulia, onde conhecemos, intocada no alto de uma aldeia, uma cooperativa de tapetes fabricados de forma totalmente artesanal. Enquanto recebíamos do anfitrião um tutorial sobre a confecção do tapete, apreciamos um chá marroquino, servido em grande estilo.

Tapetes artesanais, no Marrocos
As incansáveis negociações na venda de tapetes artesanais

De lá, partimos para as Gorges du Todgha – As Gargantas do Todgha, um conjunto de desfiladeiros gigantescos, esculpidos pelas águas do Rio Todgha. A sensação de estar no meio daquelas estruturas naturais imensas é de arrepiar.

Gargantas do Todgha, no Marrocos
As gigantescas estruturas naturais das gargantas do Todgha

O Saara – a experiência!

Após almoçar num vilarejo ali próximo, seguimos viagem até Merzouga, conhecida como a porta de entrada para as grandes dunas de Erg Chebbi. Na chegada, já no final da tarde, pudemos deixar nossa bagagem num hotel localizado às margens do deserto e seguir apenas com uma pequena mochila, com água e produtos de higiene pessoal.

Merzouga, a porta de entrada das dunas de Erg Chebbi
Do lado de fora do hotel, em Merzouga, antes de entrar no deserto

Seguimos por 2h em cima de um camelo deserto adentro até um acampamento berbere. A viagem não é das mais confortáveis, mas depois de 30 minutos, acostuma-se. (É possível ir de quadriciclo, devendo ser feita a opção na aquisição do passeio).

De camelo no deserto do Saara
Já em nosso transporte, rumo ao acampamento berbere, no deserto

O acampamento berbere

Lá fomos recebidos ao som de tambores, tocados por supostos integrantes dos povos berberes. Apesar do cansaço, foi impossível não nos contagiar pela alegria e entusiasmo deles.

 acampamento berbere, no Marrocos
Recepção calorosa e animada ao som de tambores, no acampamento berbere

Após o jantar, servido embaixo de uma grande tenda, com comidas da gastronomia local (como os famosos couscous marraquino e tarjine) e música animada, saímos em grupos (cada um com um guia) para apreciar a vista do céu, deitados na areia fria do deserto. A visão é divina. A sensação é a de que as estrelas estão mais próximas de nós.

 Couscous marroquino
Uma das comidas típicas locais, o Couscous marroquino

Depois de mais alguns minutos de música e dança ao redor de uma fogueira, vencidos pela exaustão, dormimos em tendas para duas pessoas, com colchões e cobertores tão confortáveis, que me fizeram até esquecer que estava no deserto.

Fogueira no acampamento berbere, no Marrocos
Os visitantes celebrando, em torno da fogueira, a experiência do isolamento do deserto

Nascer do Sol no deserto

Às 5h da manhã, acordamos, recolhemos nossos pertences e montamos nossos camelos, de volta à Merzouga. No meio do caminho, sentamos todos na areia para apreciar o mais lindo e inesquecível nascer do sol que pude presenciar na vida.

nascer do sol, no deserto do Saara, no Marrocos
Deixamos nossos camelos por um momento, para apreciar o nascer do sol, no deserto
nascer do sol, no deserto do Saara, no Marrocos
O degradê, resultado do nascer do sol no deserto

O retorno

Após um farto café da manhã no hotel, onde deixamos nossa bagagem, pudemos tomar um banho e retornar para Marrakech numa viagem de pouco mais de 500 quilômetros (aproximadamente 9 horas), com algumas paradas definidas apenas para refeições e idas ao banheiro.

O passeio de Marrakech ao Deserto do Saara foi uma das experiências mais incríveis da minha vida. Considero uma viagem transformadora. Recomendo.

Dicas

Para chegar o Marrocos

As principais cidades do país são Marrakech, Casablanca, Fez  e a capital Rabat. Todas elas são servidas por aeroportos e recebem voos de todos os cantos do planeta – diretos do Brasil ou com escala na Europa. Meu pacote, montado pela Flytour, me permitiu uma passada de 2 dias em Madri. De lá, foram 2 horas, voando até Marrakech.

Quanto tempo ficar

Se a sua ideia é conhecer as principais cidades do país, a minha sugestão é, pelo menos, 12 dias. Para essa casadinha Marrakech + Deserto do Saara, 6 dias são suficientes.

Quando ir

De março a maio e de setembro a novembro, quando as temperaturas estão mais amenas e as cidades não estão lotadas de turistas europeus, são as melhores épocas para visitar o país.

Onde ficar

Em Marrakech, existem várias opções de acomodação. Dos hotéis de rede aos albergues, e as pousadas, conhecidas como riad. Eu optei pelo Riad Zarka, encravado no souk, dentro da medina. A localização me permitiu estar muito próximo de alguns dos principais pontos turísticos da cidade e, principalmente, sentir a cultura e a atmosfera locais.

Riad Zarka
O pátio interno, típico das edificações marroquinas
Quarto do Riad Zarka, em Marrakech, Marrocos
Habitação aconchegante, que traduz a hospitalidade marroquina. Foto do site do riad
 café da manhã do Riad Zarka, em Marrakech, no Marrocos
O farto e saboroso café da manhã do Riad Zarka. Foto do site do riad

Evitando perrengues

– É possível sair do Brasil com esse passeio para o deserto já comprado através de agências/operadoras de turismo, inclusive online.

– Os almoços e as bebidas na estrada geralmente não estão incluídos.

– Não esqueça de levar uma garrafa de água para o deserto!

– Tente levar o mínimo de coisas na mochila, como um casaco (dependendo da estação do ano) e produtos de higiene pessoal.

– Um remédio para enjoo pode ser útil na subida e descida da Cordilheira do Atlas, as curvas são muito apertadas.

38 comentários sobre “O Deserto do Saara, no Marrocos”

    1. Obrigada, Sylvinha!!!
      Um grande beijo
      sonia.

      1. Viajei com você. A descrição detalhada e as imagens me levaram ao Marrocos. Amei as dicas. Já quero fazer essa viagem.

      2. Hola Sonia y felicitaciones a tu colega de viajes xq ha realizado un estupendo artículo de Marruecos y el desierto!! A mi me llamo muchísimo la atención el color rojizo de la arena detalle q no todos podemos saber o imaginar, abrazo!!

        1. Elisa, que bom que você gostou!
          Realmente, foi um artigo lindo e colorido. O Marrocos é um país mágico!
          Beijão!
          sonia

  1. fotos lindas para um texto gostoso!

  2. Que espetáculo, tudo tão diferente de nossa realidade , a sensação deve ser a de estar em um filme! Lindo mesmo!

  3. Um ótimo texto com excelentes fotos !
    Um lugar incrível !
    Sabe os valores de passagens ?
    Parabéns e sucesso !

    1. Obrigado, Marcos Jefferson.
      Vimos passagens de R$ 2.600,00 a R$ 4.700,00. Tudo vai depender da época escolhida e a antecedência com que você compra as passagens.
      É bom ficar atento, também, às promoções.
      Grande abraço

  4. Muito interessante! Não diria que o Marrocos + Deserto do Saara seria meu sonho de viagem, mas sem dúvida acredito que seja uma experiência inesquecível! A leitura foi muito estimulante!

    1. Rosina, que bom que gostou.
      Sim, é uma experiência inesquecível e vale arriscar uma viagem pra lá!
      Grande abraço

  5. Nunca imaginei que o Marrocos fosse tão atraente!!! Viajando com vocês!

    1. Elba, o Marrocos é uma experiência e tanto.
      Você é nossa convidada nessa viagem e nas próximas que virão.
      Um grande abraço.

  6. Parabéns pela linda matéria, digna de um jornalista especializado no que faz. Infelizmente não dá para curtir essa viagem ao vivo, mas dá para curtir neste magnifico e entusiástico texto. Waldir Martinez – São Paulo

    1. Obrigada, Waldir.
      Ficamos felizes que gostou.
      Volte, sempre.
      Um abraço.

  7. Fantástico texto! Sempre tive vontade de conhecer o Marrocos, e com as imagens e descrições, a vontade só cresceu!
    Parabéns pelo site, passarei a acompanhar

    1. Obrigada, Rael. Que bom que gostou.
      Estamos esperando a sua visita aqui, toda semana, ok?
      Grande abraço!

  8. Que texto maravilhoso!! Fiquei doida pra conhecer o Marrocos só pelas fotos no instagram e agora lendo o post tenho certeza que vou incluir na lista de futuros destinos!! Adorei a riqueza de detalhes!! Parabéns Wendell!!

  9. Wendell, está de parabéns, muito bom esse texto.
    Que lugar bonito, encantador.

  10. Excelente texto com fotos maravilhosas!!! Adorei as dicas! Em breve espero conhecer! Obrigada por dividir conosco essa experiencia!!

  11. Excelente post com fotos belíssimas e riqueza de detalhes da cultura local que fez aumentar ainda mais o desejo de conhecer o Marrocos!!!👏👏

  12. Que bacana Wendy!!!!! Top!! Parabéns! beijos,

    1. Que bom que você gostou, Jettie!
      Volte sempre.
      Grande abraço,
      sonia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *