Kremlin_de_Moscou

O Kremlin de Moscou | Rússia

Kremlin significa “fortaleza”. E o Kremlin de Moscou não é o único do país. Mas, certamente, é  o mais importante, pois é a residência do presidente e sede do governo russo. Por isso, menos da metade dele está aberto ao público. Ainda assim, há muito o que ver, é uma das maiores atrações da cidade, uma das mais visitadas, no topo da lista de visitas imprescindíveis de qualquer pessoa que vá a Moscou.

o Kremlin de Moscou, com o Grande Palácio e o Campanário de Ivã, o Grande
o Kremlin de Moscou, com o Grande Palácio e o Campanário de Ivã, o Grande

O Kremlin de Moscou

A construção do Kremlin de Moscou teve início em 1156. Feito todo em madeira, desde então, já era de símbolo de poder no país. Só no século 15, é que o Tsar Ivan III convidou arquitetos italianos para construir os prédios incríveis que lá estão, até hoje, embora Stalin tenha mandado destruir alguns palácios e igrejas. Só depois que ele morreu, em 1955, é que o Kremlin foi reaberto.

Torre do Salvador, que já foi a entrada principal do Kremlin
Torre do Salvador, que já foi a entrada principal do Kremlin

Kremlin de Moscou: o que há para ver

Trata-se de uma cidadela. E lá dentro estão o Arsenal do Estado, o Palácio do Patriarca, as lindas igrejas da Praça das Catedrais – local venerado pelos cristãos há mais de 8 séculos, embora as suas primeiras igrejas, de pedra, tenham sido demolidas em 1740. Era nesse lugar que, na época do império, aconteciam as coroações, os enterros, os batismos e comemorações oficias.

na foto de A. Savin, o Kremlin visto de cima
na foto de A. Savin, o Kremlin de Moscou visto de cima
Mapa do Kremlin - do site kremlin-driver
Mapa do Kremlin – do site kremlin-driver

Torre da Trindade

Antigamente, essa torre de 76 metros era uma entrada exclusiva de viúvas, patriarcas e filhas dos tsares, para o Kremlin de Moscou. A torre da Trindade tem 7 andares e é a mais alta, entre as 19 torres da fortaleza. Ela foi construída de 1495 a 1499 e, hoje, está liberada para todos. Foi por ela que Napoleão entrou, em 1812, com seu exército, todo faceiro, para sair, derrotado, um mês depois, quando os russos incendiaram a cidade, deixando os soldados sem abrigo e sem provisões.

Por baixo dessa ponte, passava o Rio Neglínaya, que hoje corre por baixo da terra
Por baixo dessa ponte, passava o Rio Neglínaya, que hoje corre por baixo da terra
um dos principais símbolos soviéticos
No alto da torre, a estrela de rubi, um dos principais símbolos soviéticos

Depois que entrarmos por essa torre, passamos por um forte esquema de segurança para encontrar os guichês –  Detector de metal, scanner e o olhar atento dos porteiros. Os ingressos custam 1200 rublos – em torno de 66 reais, para ver, também, o Arsenal do Estado e o Fundo de Diamantes. Não dá para ir ao Kremlin e ver só parte dele, né?

São vários guichês para atender centenas de turistas todos os dias
São vários guichês para atender centenas de turistas todos os dias

Palácio Estatal do Kremlin

Depois que entramos, a primeira coisa que vemos é o Palácio Estatal do Kremlin, que destoa do conjunto porque é um prédio mais moderno, construído em torno de 1960, a pedido de Nikita Kruschov, então primeiro-ministro. O objetivo era a realização das conferências do Partido Comunista. Para não ofuscar os prédios vizinhos, ele foi afundado 15 metros.  As reuniões do partido eram realizadas no auditório, onde cabem 6 mil pessoas. Hoje, o prédio é usado pela Companhia de Balé do Kremlin e para a realização de shows de rock, óperas e eventos importantes, como o sorteio do jogos da Copa do Mundo.

No salão de entrada, lembranças de um tempo que já passou
No salão de entrada, lembranças de um tempo que já passou

Arsenal do Estado

Hoje, o Arsenal do Estado funciona como museu. E guarda as maiores preciosidades do país: maravilhosas coleções imperiais de arte decorativa e o Fundo de Diamantes do Estado. Ali está a riqueza acumulada ao longo dos séculos, por príncipes e tsares. As peças são des-lum-bran-tes: a linda carruagem dourada de verão de Catarina, a Grande, entre outras tantas; coroas incríveis, cravejadas de pedras preciosas e com pele de marta; o vestido da coroação de Catarina, a Grande, bordado com fios de ouro; ovos Fabergé, tronos de monarcas russos, inclusive, o de Ivã, o terrível; um trono com 900 diamantes encrustados, feito na Pérsia em 1659, além de jóias; presentes de embaixadores, arreios, utensílios, armas, armaduras e trenós. Tudo muito bem conservado. Este foi o museu mais deslumbrante que eu vi na vida. Infelizmente, é proibido fotografar o interior.

Filas para ver as joias do Arsenal do Estado
Filas para ver as joias do Arsenal do Estado
o lindo prédio amarelo e branco guarda os tesouros e as relíquias do país
o lindo prédio amarelo e branco guarda os tesouros e as relíquias do país

O Fundo de Diamantes

Em 1967, foi criada, no segundo piso do Arsenal do Estado, a exposição permanente dos tesouros da nobreza russa, especialmente, os diamantes. Parte desse tesouro foi confiscada do tsares. Muitas das peças em exposição são diamantes lapidados e objetos cobertos por diamantes, assim como uma coroa de 1762 e um cetro de 1770, com um diamante Orloff de 189 quilates. Esse diamante foi presente de um príncipe russo, Orloff, à Catarina II. O Fundo de Diamantes está sob a responsabilidade do Ministério das Finanças e uma das preciosidades do Kremlin de Moscou. Como não é impossível fotografar, as fotos abaixo são do site do museu  e do wikipedia.

Regalias imperiais

coroa com pedras preciosas e pele de marta

Trono do Tsar Mikhail Romanov

Diamante Orloff

O Grande Palácio do Kremlin

Ele foi encomendado pelo tsar Nicolau I, em 1837, para ser a residência da família real, quando vinha de São Petersburgo que, na época, era a capital do país. Levou 12 anos para ficar pronto. No térreo, ficam os luxuosos cômodos da família real. No primeiro andar, as câmaras e salões para cerimônias oficiais, cômodos extremamente luxuosos.

um dos incríveis salões para reuniões oficias - foto do site da presidência
um dos incríveis salões para reuniões oficias – foto do site da presidência

Campanário de Ivã, o Grande

Construído em 1505, o campanário de Ivã chegou a ser, em 1600, a mais alta construção de Moscou. A torre da Assunção, ao lado, tem 21 sinos. Logo em frente, está o maior sino do mundo, com 200 toneladas. Não imagino como, mas esse sino era pendurado e um dia, ele caiu! Na verdade, houve um incêndio, em 1701, que provocou a sua queda. Mas, imagina ter um sino com esse peso, pendurado, badalando… Pois bem, na queda, ele se partiu, mas seus fragmentos foram usados em outro sino. Esse ainda está dentro de um molde e assim permaneceu até que houve outro incêndio e, de tanto jogarem água fria sobre ele, o sino se partiu de novo. O pedaço dele está ao lado.

O canhão do Tsar também é outra atração próxima ao Campanário de Ivã. Ele foi fundido em 1586 e pesa 40 toneladas. Fico pensando em como eles manipulavam esse canhão, tão pesado…

Dizem que esse canhão nunca fez um disparo
Dizem que esse canhão nunca fez um disparo
Os alunos estudam a história do país, "in loco"
Os alunos estudam a história do país, “in loco”

A Catedral da Assunção

Na praça das catedrais, a Catedral da Assunção é o centro da atrações. As cúpulas douradas brilham com o sol e pelas janelas da torres, entra a luz que ilumina o seu lindo interior, com paredes cobertas por afrescos em tons dourados, que dão a impressão de que são iluminuras. As colunas são cobertas por mais de cem mártires e guerreiros canonizados.

Praça das catedrais, com a Catedral da Assunção em frente e a Catedral da Anunciação à direita
Praça das catedrais, com a Catedral da Assunção em frente e a Catedral da Anunciação à direita

A Igreja da Assunção já foi a igreja mais importante de Moscou, onde aconteciam as coroações e os enterros dos metropolitas e patriarcas da Igreja Ortodoxa. Nas suas paredes, estão  os túmulos de quase todos os líderes mais importantes da igreja ortodoxa russa.

A Catedral da Assunção guarda os restos mortais de Hermogenes, o patriarca, que morreu em 1612
A Catedral da Assunção guarda os restos mortais de Hermogenes, o patriarca, que morreu em 1612

Catedral da Anunciação

Ela foi encomendada por Ivã III, para ser a capela real. Ao contrário das demais, criadas por italianos, ela é totalmente russa. Originalmente, ela tinha 3 cúpulas, mas um incêndio, em 1547, fez com que ela fosse reconstruída e mais cúpulas foram acrescentadas.

A linda Catedral da Anunciação
A linda Catedral da Anunciação

Outras igrejas e palácios ocupam o Kremlin de Moscou, com harmonia. O Grande Palácio do Kremlin (residência dos imperadores russos), o Palácio de Terem, o Palácio Facetado, o Palácio do Patriarca e a Igreja dos Doze Apóstolos, a Igreja da Deposição do Manto, a Catedral do Arcanjo Miguel, a Catedral da Dormição e as torres que cercam o Kremlin merecem a visita. A sugestão é chegar cedo, na hora que abre: 10 horas – de sexta à quarta – e deixar para sair às 17 horas, quando o Kremlin fecha as portas.

A cúpulas do Palácio Terem
A cúpulas do Palácio Terem
Na Catedral do Arcanjo estão os túmulos de Ivã, o Terrível, e do seu filho
Na Catedral do Arcanjo estão os túmulos de Ivã, o Terrível, e do seu filho

Para visitar o Kremlin de Moscou

O Kremlin de Moscou fica na Praça Vermelha, junto a tantas atrações moscovitas. Trata-se da visita mais importante e a que mais guardamos as lembranças. Os tickets podem ser comprados online, nesse link aqui. O Kremlin está aberto para visitas, nos seguintes horários: de 15 de maio a 30 de setembro, das 10 às 18 (o guichê abre às 9h), de domingo a quinta. De 1 de outubro a 14 de maio, das 10 às 17 horas (o guichê abre às 9h30), de domingo à quinta.

5 comentários sobre “O Kremlin de Moscou | Rússia”

  1. Tô com um probleminha, vontade louca de conhecer tdo isso!!

    1. Mas isso não é um problema! Isso pode ser um projeto! Programe-se! E tudo vai dar certo! Grande beijo!

  2. Muito bom. Despertou minha vontade de conhecer.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *