Alese

Hỏa Lò | O Museu da Prisão em Hanói

///Hỏa Lò | O Museu da Prisão em Hanói

Hỏa Lò | O Museu da Prisão em Hanói

Incrível como uma tripinha de país era tão assediado por tanta gente. Foram muitas as invasões estrangeiras e guerras civis. Mas, os vietnamitas aguentaram firmes – os chineses, portugueses, franceses, americanos – e venceram os inimigos. Aliás, esse é um orgulho deles: terem vencido todos os inimigos.

História

Esse é o lado triste de uma viagem ao Vietnã: visitar os museus de guerra e constatar a crueldade da qual o ser humano é capaz. Americanos ou vietnamitas, chineses ou franceses, todos cometeram as atrocidades que hoje estão expostas nos museus do país, que não são poucos. Aliás, a visita aos museus que tratam desse tema é uma experiência e tanto. Eu considero um programa triste, mas obrigatório. O primeiro que visitamos foi o Museu da Prisão – Hỏa Lò – Maison Centrale.

O Museu da Prisão fica na região do Lago Hoan Kiem. Ele foi criado numa antiga prisão, construída pelos franceses, em 1896, para comportar 450 presos.  Mas, na década de 30, eram mais de 2 mil prisioneiros, em sua maioria, presos políticos. Em 1997, parte dela foi demolida, mas os arquitetos conservaram alguns metros quadrados para fazer o museu. Trata-se de um belo prédio, mas a energia é pesada. Imaginem o sofrimento por trás daquelas paredes grossas.

Durante o domínio francês, a prisão era chamada de Maison Centrale. Durante a guerra do Vietnã, que os vietnamitas chamavam de “guerra americana”, a prisão ficou famosa por encarcerar pilotos americanos, além de outros militares de alta patente. Um deles foi o senador John McCain, que concorreu às eleições, em 2008, junto com Obama. Os americanos chamavam a Maison Centrale de Hanói Hilton – a conhecida rede de hotéis.

O que há para ver na Maison Centrale

O museu não muito grande, dá para percorrer em 30 minutos. São algumas salas, celas, corredores escuros marcados pelo sofrimento, pela tortura. Celas individuais, as solitárias, e celas coletivas, fotos de presos, de mulheres que lutaram lado a lado com os homens pela independência do país, documentos, grilhões, chicotes e instrumentos de tortura, cestas onde os prisioneiros ficavam confinados e até uma guilhotina.

os presos ficavam assim, sentados numa mesa, presos pelos grilhões

bravas mulheres que passaram pela Maison Centrale

preso, numa solitária

Acima, vemos uma guilhotina, usada sem dó, no período francês. Ela está numa sala só para ela e um baú, onde os prisioneiros podiam ser premiados com um confinamento. Uma parte pequena do museu é dedicada ao período americano, onde eles tentam mostrar como trataram melhor, os americanos. Eu, na verdade, não vi nenhuma cortesia… mas recomendo o programa.

2017-08-09T22:06:01+00:00 9 ago 2017|Categorias: Ásia, Vietnam|Tags: , , , |1 Comentário

One Comment

  1. Edinalva 10/08/2017 at 12:44- Responder

    Amiga, com suas informações eu viajo,…….. pois vc diz exatamente tdo e com detalhes……..adoro.

Deixe uma resposta